Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

18 de Novembro: Dia Mundial da Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica

dpoc

Passear o cão, ir buscar o correio, fazer uma caminhada, ir até ao supermercado. Estas são apenas algumas das actividades que as pessoas que vivem com Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) podem e devem realizar no seu dia-a-dia. A mensagem surge agora em forma de música, que apela à actividade física e convida mesmo os doentes a dançar. Um hino que junta as principais entidades nacionais na área respiratória, com o apoio da Menarini Portugal, para sensibilizar os doentes e profissionais de saúde para um problema que afecta cerca de 800 mil pessoas em Portugal. Assinala-se hoje o Dia Mundial da DPOC.

O que é que já fez hoje?” A questão surge repetida numa música que reforça a importância, e necessidade da prática de actividade física regular pelos doentes, que pode passar apenas por uma caminhada ou por uma ida ao supermercado, actividade esta que reduz as admissões hospitalares e a mortalidade.

Os doentes têm todos de fazer medicação, que é essencial para o controlo da sua doença, mas sabemos que, de todos os doentes, aqueles que fazem medicação e exercício físico, ou seja, que fazem as duas coisas, têm muito melhor prognóstico e muito menor morbilidade, assim como menor mortalidade”, confirma José Alves, médico pneumologista e presidente da Fundação Portuguesa do Pulmão, um dos parceiros da campanha. “É muito importante, por isso, que não se esqueçam que têm de fazer exercício e que este exercício é fundamental para a sua qualidade de vida”, acrescenta o especialista. 

Paula Pinto, médica pneumologista e vice-presidente da Sociedade Portuguesa de Pneumologia, confirma, acrescentando que, “muitas vezes, os doentes conformam-se com as suas limitações e acabam por se render a elas, receando fazer mais. Perguntar-lhes o que fizeram hoje permite não só perceber se têm a sua DPOC controlada, mas também serve de incentivo para manterem uma actividade física regular”.

Há que questionar os doentes, que podem não valorizar os seus sintomas, perceber qual é a sua rotina e se, de facto, a sua qualidade de vida está aquém do que um tratamento adequado e um estilo de vida activo poderiam proporcionar”, reforça Isabel Saraiva, presidente da Respira. 

Este ano, o Dia Mundial da DPOC partilha a importância de ‘Viver bem com a DPOC - Todos, em todo o lado’, uma mensagem definida pela Iniciativa Global para a DPOC (GOLD). Esta é uma doença responsável por sintomas como falta de ar, expectoração e tosse e que afecta qualquer coisa como 300 milhões de pessoas em todo o mundo. 

Embora sem cura, pode ser tratada. A mensagem neste Dia Mundial da DPOC é positiva, recordando que há muitas formas de viver bem com a doença e sensibilizando para intervenções como a reabilitação pulmonar, prática de actividade física e o bem-estar social e mental.

Imagem: Direitos Reservados