Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Covid-19: Análise regional e local “é muito importante” defende Constantino Sakellarides

covid 19 6

O antigo director-geral da Saúde Constantino Sakellarides destaca a importância de se fazer uma análise dos dados regionais e locais, e não apenas nacionais, para perceber o que está a acontecer na segunda vaga da Covid-19. “Temos de passar destes números (…) nacionais para uma análise mais detalhada, não só da evidência regional e local, mas das características de transmissão. Isso é particularmente importante neste momento”, defende o professor catedrático de Saúde Pública, em declarações telefónicas à agência Lusa.

Portugal registou hoje o maior número de casos de infecção com o novo coronavírus desde o início da pandemia, em Março, e o número de novos casos no país situou-se acima dos mil pelo terceiro dia consecutivo. “Nestas circunstâncias, é muito importante não realizar só números nacionais, mas utilizar a situação regional e local”, frisa Constantino Sakellarides, realçando que “o equilíbrio entre a protecção e a necessidade de viver” tem de ser buscado numa análise abrangente. O especialista não prevê um novo confinamento geral nacional, mas antecipa “a necessidade de fazer restrições a nível limitado, local, de vários tipos”.

Ora, a intervenção nas regiões com mais casos não pode ser baseada “nos somatórios nacionais”, porque o retrato que traçam “é muito incompleto e muito pouco elucidativo em relação ao que é preciso fazer”, frisa o professor. “Uma coisa é um somatório nacional, outra coisa é a situação local e regional e as características dessa transmissão. É isso que nos permite defendermo-nos, mais ou menos, equilibrar melhor esta balança entre a proteção e a necessidade de continuarmos a viver”, insiste. “Este agravamento em Portugal está em linha com o que está a acontecer na Europa Ocidental e na Europa Central”, observa Constantino Sakellarides. “Temos de olhar à volta”, recomenda.

“Os agravamentos [em Portugal] são regionais e locais, não há uma homogeneidade nacional”, sublinha, acrescentando ainda que os países não estão a revelar o mesmo fenómeno “ao mesmo tempo”. Portanto, é preciso contextualizar os números e também analisá-los em função do que se passa nos países em redor de Portugal.

Reconhecendo que parece estar a verificar-se “uma aceleração” da segunda vaga da pandemia, à entrada no mês de Outubro, o especialista nota que estas evoluções são “assíncronas, têm tempos diferentes”, nos vários países da Europa. “Não temos padrão para saber como vai evoluir de facto”, admite o antigo director-geral da Saúde. “O capital de conhecimento acumulado sobre pandemias é muito pequeno e nunca [houve] uma pandemia de coronavírus. Sabemos muito pouco e, portanto, as nossas expectativas são frequentemente equivocadas. Esperávamos todos pelo Outono/Inverno e, no fim do Verão, ou no pico do Verão, tivemos o início da segunda onda”, observa. “Não somos capazes de prever” como esta pandemia vai evoluir, reflecte, recordando que no Verão pensava-se que os casos iam diminuir e que depois, quando o tempo arrefecesse e as pessoas ficassem mais em casa, iriam aumentar. “Agravou-se muito antes, em pleno Verão. Em Espanha, foi notório”, assinala.

Portugal registou cinco mortos e 1.646 novos casos de infecção nas últimas 24 horas, o maior número desde o início da pandemia, em Março. Portugal já registou 2.067 mortes e 85.574 casos de infeção, estando hoje activos 30.704 casos, mais 1.002 do que na sexta-feira.

A DGS indica que, das cinco mortes registadas nas últimas 24 horas, duas ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo, duas na região Norte, onde agora se verifica o maior número de infecções (na sexta-feira liderava Lisboa), e uma no Algarve.

Relativamente aos internamentos hospitalares, o boletim revela que estão internadas 831 pessoas (mais 20 nas últimas 24 horas), das quais 122 em cuidados intensivos (menos três em relação a sexta-feira).

O número de recuperados aumentou para 52.803 (mais 639 do que na sexta-feira).

Texto: ALVORADA com agência Lusa