Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Covid-19: Estudo mostra que não há ligação entre o comboio e transmissão do vírus

Linha do Oeste 8

Um estudo concluiu que não existe uma ligação directa entre as infecções da Covid-19 e a utilização do transporte ferroviário na Área Metropolitana de Lisboa, considerando como factor mais determinante as questões socioeconómicas.

O estudo, a que a agência Lusa teve acesso, foi desenvolvido pelos investigadores Milton Severo, Ana Isabel Ribeiro, Raquel Lucas, Teresa Leão e Henrique Barros do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), entre os dias 2 de Março e 5 de Julho. A análise incidiu em freguesias atravessadas pelas linhas ferroviárias de Azambuja, Sintra, Cascais, do Sul (Fertagus), do Sado e do Oeste, localizadas em concelhos da Área Metropolitana de Lisboa.

Em declarações à agência Lusa, o professor Milton Severo, um dos autores do estudo, explicou que o objectivo era perceber a relação entre a proximidade das estações ferroviárias com a transmissão da Covid-19. “Verificou-se que, quando se comparam essas linhas, não se associavam de uma forma homogénea. Ou seja, o risco de infecção não era superior nas freguesias mais próximas das estações do que naquelas mais afastadas”, apontou.

O investigador referiu que, por exemplo, a linha de Sintra apresentava um risco maior nas freguesias atravessadas pelo comboio, mas que na linha do Sado e da Fertagus o risco mostrou ser maior nas freguesias não atravessadas. Entretanto, a partir de Abril, os investigadores foram percebendo que o factor mais determinante para o risco de contágio eram as condições socioeconómicas. “Enquanto no início da pandemia esse indicador (privação socioeconómica) não se associava, conforme foi passando o tempo esse indicador passou a associar-se e as freguesias com maior privação apresentam um risco superior de infecção comparada com as outras”, apontou.

Assim, como principais conclusões, o estudo demonstra que não existe uma ligação directa entre o transporte ferroviário e o risco de infecção, uma vez que os dados foram mudando ao longo do tempo, e coloca como factor determinante as condições socioeconómicas.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Paulo Ribeiro/ALVORADA (arquivo)