Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Login

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Desabafos

Amola-tesouras

O som da flauta ouvia-se em meia vila e a minha mãe logo dizia: “Vai chover!”. A seguir vinha o pregão do flautista: “Olha o amola-tesouras, conserta tachos, panelas, alguidares, guarda-chuvas, afia facas e tesouras...”, e seguia, intercalado pelo silvo da gaita-de-beiços feita de canas. A clientela vinha, aos poucos, entregar para conserto os utensílios que, por descuido ou excesso de uso, necessitavam de cuidados.

O homem olhava, revirava o tacho de barro quebrado, “Os cacos estão aqui todos?”, e, após a afirmativa, dava o preço: “São 10 tostões”, “Vareta partida, 5 tostões”. Os clientes, depois de deixarem a encomenda, afastavam-se e eu ficava para ver o trabalhar. A bicicleta, virada ao contrário, constituía a mesa de trabalho do artista. Não tinha mãos a medir. Tachos, panelas, guarda-chuvas e facas, rodeavam-no.

O tacho de barro quebrado, o descobrir onde estavam as peças, qual 'puzzle'. Um furo de cada lado para colocar um 'gato' feito com arame, um pouco de cola e já está. Perfeito. Uma vareta partida, coloca-se um reforço, aperta-se bem com arames e parece novo. O faiscar da pedra de amolar e a faca a ficar afiadinha num instante.

Era assim, em tempos idos, quando tudo tinha reparo e não havia dinheiro para comprar coisa novas. “Guarda o que tens e encontrarás o que é preciso”, dizia, na sabedoria de uma vida cheia de exigência, o meu pai.

João Farinha