Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Login

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Desabafos: Isto vai acabar mal

Ainda não nos vimos livres do vírus e nova praga já está a afectar o Planeta.

Tendo a sua origem no ano de 1839, o plástico foi anunciado quase como milagre no pós II Guerra Mundial pela sua maleabilidade e versatilidade na confecção dos mais variados objectos (sacos, sacolas, embalagens, vestuário, calçado, bijuterias...). O que é certo é que o consumismo aumentou de tal forma, que o 'utilizar e deitar fora' se tornou um hábito.

Dantes, quando algo avariava, havia quem arranjasse. Hoje, além de não haver quem conserte, fica mais barato comprar novo. Assim, está velho, deita-se fora (acontece também com as pessoas).

Do lixo, vai para o mar.

Calcula-se que chegam ao mar mais de 10 milhões de toneladas de plástico por ano. Além dos estragos no ecossistema (o que já é muito) entra na alimentação dos peixes e marisco e, claro está, acaba no nosso organismo (o chamado micro-plástico). Nunca foi tão verdadeira a frase de que andamos a comer 'comida de plástico'.

Para quando a proibição do uso de garrafas de plástico? Dantes a água era fornecida em garrafões e garrafas de vidro. Os iogurtes em boiões de vidro. E, o saco de plástico, pura e simplesmente, não havia. As compras eram embrulhadas em papel e levavas num saco de pano que trazias de casa quando ias às compras.

Isto vai acabar mal. Ai vai, vai.

João Henrique Farinha