Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Internamento de três anos no mínimo para homem que tentou matar mulher no Bombarral

Tribunal Judicial de Leiria

O Tribunal Judicial de Leiria determinou o internamento por um período mínimo de três anos e máximo de 10 anos e oito meses a um homem considerado inimputável perigoso que tentou matar uma mulher no Bombarral.

No acórdão, datado de quinta-feira e ao qual a agência Lusa teve hoje acesso, o colectivo de juízes sustentou que o arguido, de 46 anos, “praticou, em autoria material e na forma tentada, factos objectivos integradores de um crime de homicídio qualificado”, mas declarou-o inimputável e, igualmente, perigoso.

Nesse sentido, o colectivo de juízes aplicou ao homem a “medida de segurança de internamento em estabelecimento de cura, tratamento ou segurança, pelo período mínimo de três anos, salvo se a libertação se revelar compatível com a defesa da ordem jurídica e da paz social, e máximo de 10 anos e oito meses (limite máximo da pena correspondente ao crime), devendo o internamento findar quando o Tribunal verificar que cessou o estado de perigosidade que lhe deu origem”.

O Tribunal deu como provado que a vítima, de 46 anos, prostituta, recebeu, em Julho de 2021, num quarto, o arguido, tendo sido acordado o pagamento de 20 euros “para manterem relações sexuais”. Após as relações sexuais, o arguido perguntou à mulher se tinha troco para 50 euros, pelo que esta pegou na carteira para retirar 30 euros. Quando aquela se encaminhou para o arguido para receber o dinheiro, este, com uma faca, desferiu-lhe um golpe na zona do pescoço.

Como a ofendida gritou, o arguido “desferiu-lhe um murro na testa e agarrou-a, tentando tapar-lhe a boca e, nesse momento”, desferiu-lhe um corte num dedo de uma mão. De seguida, o homem fugiu, mas deixou a carteira, com vários documentos de identificação, caída no chão do quarto. A vítima teve de receber tratamento hospitalar.

O tribunal colectivo considerou que o arguido, detido preventivamente no Hospital Prisional de Caxias, “agiu com o propósito de tirar a vida” à ofendida, o que “só não aconteceu porque aquela foi prontamente socorrida por terceiros”.

No acórdão, lê-se que o arguido sofre de uma doença do foro psíquico, pelo menos desde 2004, e que, à data dos factos, encontrava-se “em plena fase aguda/de descompensação da sua doença de base, fruto do incumprimento terapêutico”, pelo que “a avaliação da realidade encontrava-se abolida” e "não tinha capacidade para avaliar a ilicitude dos seus actos".

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Direitos Reservados