Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Caldas da Rainha: homem fica em prisão preventiva por violência doméstica

GNR

Um homem de 28 anos foi detido pelo Núcleo de Investigação e Apoio a Vítimas Específicas (NIAVE), por violência doméstica, no concelho das Caldas da Rainha.

No decorrer da investigação pelo crime de violência doméstica, os militares da GNR apuraram que o suspeito injuriou e infligiu, de forma reiterada, agressões físicas e psicológicas contra a vítima, sua companheira de 34 anos. Nesse sentido, no passado dia 5 de Julho foi dado cumprimento a um mandado de busca e detenção, que culminou na localização e detenção do agressor.

Numa informação disponibilizada no seu sítio na Internet, a Procuradoria da República da Comarca de Leiria explicou que, após ser presente a primeiro interrogatório, na quinta-feira, “o tribunal considerou fortemente indiciado que o arguido molestou física, verbal, sexual e psicologicamente a vítima, com quem vivia maritalmente”, sendo que os factos ocorreram desde Abril.

 

Segundo a Procuradoria, “o arguido desferiu bofetadas, pontapés e golpes no rosto e cabeça da vítima, apertou-lhe o pescoço, agarrou e puxou-lhe os cabelos, arrastou-a e empurrou-a, provocando a sua queda no chão”, sendo que “também a insultou e lhe dirigiu ameaças de morte”, o que a deixou “intranquila e assustada”.

Resultou, também, indiciado que o arguido apontou uma faca à vítima, atirou-lhe um cigarro aceso contra um braço e cuspiu-lhe no rosto”.

O juiz de instrução criminal determinou que o arguido aguarde o desenvolvimento do inquérito sujeito à medida de coação de obrigação de permanência na habitação, mas, enquanto não for possível a sua colocação numa residência de forma eficaz, vai ficar em prisão preventiva.

O homem já foi condenado pelo crime de violência doméstica na pena de dois anos de prisão, suspensa na sua execução por igual período, por sentença transitada em julgado em 2018.

A investigação é dirigida pelo Ministério Público da 2.ª Secção das Caldas da Rainha do Departamento de Investigação e Ação Penal da Comarca de Leiria, com a coadjuvação do Núcleo de Investigação e Apoio a Vítimas Especificas do Comando Territorial de Leiria da GNR.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Paulo Ribeiro/ALVORADA (arquivo)