Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Centro Hospitalar do Oeste contratou mais de 13.300 horas da especialidade de Obstetrícia até final do ano

CHO logo

O Centro Hospitalar do Oeste contratou, até final do ano, mais de 13.300 horas para a especialidade de Obstetrícia, em regime de prestação de serviços, mas sem garantias de conseguir assegurar completamente as escalas, informou o Ministério da Saúde.

O Centro Hospitalar do Oeste (CHO) “adquiriu já, e até ao final do corrente ano, um total de 13.344 horas para a especialidade de Obstetrícia”, informou o Ministério da Saúde, admitindo que, apesar disso, “nem sempre seja possível, por indisponibilidade dos profissionais, conseguir assegurar as escalas completamente”.

A informação foi avançada em resposta a uma pergunta dos deputados do PSD eleitos pelo círculo de Leiria, na sequência da morte de um bebé após um parto por cesariana, no Hospital das Caldas da Rainha, em 8 de Junho, quando a escala das Urgências de Obstetrícia se encontrava incompleta.

Na resposta aos deputados, o Ministério da Saúde refere que o mapa de pessoal do CHO dispõe de 10 médicos da especialidade de Obstetrícia/Ginecologia, “não sendo actualmente possível preencher as escalas de urgência” apenas com recurso a estes profissionais e sendo necessária a contratação de horas em prestação de serviços.

A escala de Obstetrícia no Hospital das Caldas da Rainha é composta por três médicos no turno de dia e outros três no turno da noite, “resultando numa necessidade de 28.280 horas anuais”, pode ler-se na resposta a que a agência Lusa teve hoje acesso. De acordo com o Ministério, o CHO consegue assegurar através dos seus profissionais 12.768 horas e tem que adquirir, anualmente, 13.512 horas em prestação de serviços.

Na resposta o Governo recorda ainda que o CHO foi contemplado, em 2021, com uma vaga para esta especialidade, que não foi preenchida, e com uma vaga este ano, para a qual se encontra a decorrer o concurso.

Encontrando-se o CHO numa zona carenciada em termos de serviços médicos, foi ainda atribuído para este ano “um posto de trabalho com direito a incentivo de natureza pecuniária” nesta especialidade em que, segundo o Ministério, “já se encontram quatro médicos a receber incentivos, atribuídos em anos anteriores”.

Ainda na resposta aos deputados, e relativamente à morte do bebé no Hospital das Caldas da Rainha, em Junho, o Ministério lembra que estão a decorrer os processos de inquérito tutelados pela Inspeção-Geral das Actividades em Saúde (IGAS) e pelo Ministério Público, reafirmando a convicção anteriormente expressa pelo centro hospitalar de que é “prematuro” estabelecer, para já, “qualquer relação de causa-efeito” entre a morte do bebé e os “constrangimentos da urgência obstétrica”.

O Conselho de Administração do CHO abriu um inquérito participando o caso à IGAS e esclareceu na altura, em comunicado, que seria prematuro estabelecer qualquer relação de causa-efeito entre o encerramento da urgência obstétrica e o referido episódio. Posteriormente, fonte da Procuradoria da República da Comarca de Leiria disse à Lusa que o CHO, onde se integra o Hospital das Caldas da Rainha comunicou a morte do bebé em 13 de Junho e que, “face ao expediente enviado, o Ministério Público instaurou de imediato inquérito”. A procuradoria acrescentou ainda que, até aquela data, a família não tinha apresentado queixa.

O Centro Hospitalar do Oeste integra os hospitais públicos de Caldas da Rainha, Torres Vedras e Peniche, tendo uma área de influência constituída pelas populações dos concelhos de Caldas da Rainha, Óbidos, Peniche, Bombarral, Torres Vedras, Cadaval e Lourinhã e de parte dos concelhos de Alcobaça e de Mafra.

Texto: ALVORADA com agência Lusa