Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Municípios de Lisboa e Oeste investem 4,4 milhões para melhorar gestão de águas residuais

Aguas do Tejo Atlantico

Os 23 municípios que integram o sistema multimunicipal de saneamento da Grande Lisboa e Oeste vão ter um apoio de 4,4 milhões de euros para erradicar as afluências indevidas de águas residuais industriais, foi hoje divulgado.

Designado por ‘Plano de Ação AgIR’, este apoio técnico e financeiro será financiado pelo Fundo Ambiental e terá uma duração de quatro anos, decorrendo de uma parceria que será oficializada esta quarta-feira entre os 23 municípios e a Águas do Tejo Atlântico, segundo indica a empresa do grupo Águas de Portugal, em comunicado.

“As afluências indevidas de águas residuais industriais às Fábricas de Água (ETAR) da Tejo Atlântico, sem o devido pré-tratamento, têm vindo a ser identificadas como um dos problemas críticos na exploração e na gestão eficiente dos sistemas de recolha e tratamento, representando, atualmente, uma ameaça ao cumprimento das condições estabelecidas nos títulos de utilização de recursos hídricos emitidos para estas instalações”, justifica a nota.

Assim, a Águas Tejo Atlântico sublinha que a “nova abordagem”, que decorre desta parceria, vai permitir “salvaguardar a integridade dos sistemas públicos de saneamento, contribuir para uma maior harmonia entre a protecção da saúde pública, a melhoria da qualidade das massas de água e a preservação dos ecossistemas”.

“O principal objectivo do Plano de Acção AgIR é melhorar a capacidade de resposta operacional das Fábricas de Água, com vista à redução de riscos ambientais provocados pela presença indevida de agentes poluentes no processo de tratamento, pelo que irá ainda promover a formação de técnicos dos municípios e das indústrias no domínio da gestão dos efluentes industriais”, é explicado.

No caso do município de Lisboa está prevista a “caracterização das águas residuais afluentes às Fábricas de Água provenientes de unidades hospitalares, de forma a prevenir a resposta a eventuais surtos de doenças”. “As acções previstas neste plano serão uma oportunidade de capacitar e sensibilizar o tecido industrial das regiões abrangidas para a adopção de processos ambientalmente mais sustentáveis e mais eficientes”, sublinha a nota.

A cerimónia que vai oficializar este plano decorre na Fábrica de Água de Alverca do Ribatejo, no concelho de Vila Franca de Xira, sendo presidida pelo ministro do Ambiente e Acção Climática, Duarte Cordeiro.

A empresa Águas do Tejo e do Atlântico é responsável pela recolha, tratamento e a rejeição de efluentes domésticos e urbanos provenientes dos municípios de Alcobaça, Alenquer, Amadora, Arruda dos Vinhos, Azambuja, Bombarral, Cadaval, Caldas da Rainha, Cascais, Lisboa, Loures, Lourinhã, Mafra, Nazaré, Óbidos, Odivelas, Oeiras, Peniche, Rio Maior, Sintra, Sobral de Monte Agraço, Torres Vedras e Vila Franca de Xira.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Direitos Reservados (arquivo)