Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Assinado contrato de meio milhão de euros para contadores no regadio de Óbidos e Bombarral

CMO regadio 2022

A Direcção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR) assinou hoje o contrato para a instalação de 600 contadores nas bocas de rega do regadio de Óbidos e Bombarral, num investimento superior a meio milhão de euros.

A empreitada de fornecimento e montagem de contadores individuais nas bocas de rega do aproveitamento hidroagrícola das baixas de Óbidos e Amoreira “vai permitir saber a quantidade de água que cada parcela está a consumir para que seja processado só o pagamento daquilo que efectivamente é consumido”, afirmou hoje o director-geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural, Rogério Ferreira.

O investimento integra-se num projecto de regadio orçado em 28 milhões de euros, dos quais 22,2 milhões comparticipados pelo Programa de Desenvolvimento Regional (PRODER), destinado a servir cerca 900 agricultores das freguesias da Amoreira e do Olho Marinho, no concelho de Óbidos, e do Pó e da Roliça, no concelho do Bombarral.

Os 600 contadores agora contratados são a fase final da obra relativa ao bloco de Óbidos, onde 23 parcelas agrícolas se encontravam ligadas a um mesmo contador, passando agora a contagem da água consumida a ser feita individualmente.

Na cerimónia de assinatura do contrato, o director-geral anunciou ainda que, ao abrigo da verba total do projecto de regadio, a DGADR vai avançar com a construção da futura sede da Associação de Beneficiários do Plano de Rega das Baixas de Óbidos. Mais do que a sede, a associação pretende, no entanto, que a verba ainda disponível, no valor de 2,1 milhões de euros, seja aplicada “na colocação de painéis solares” que permitam reduzir os custos de energia e aliar “a eficiência hídrica e energética”, disse o presidente da associação, Filipe Ferreira.

Um apelo que foi reforçado pela Câmara Municipal de Óbidos, cujo presidente, Filipe Daniel, explicou que os gastos de energia para regar os 800 hectares de culturas do bloco de Óbidos ascende a “60 mil euros por ano”, mas com o qual o director-geral não se comprometeu, sugerindo que a associação se candidate ao concurso que a DGADR vai abrir em Fevereiro para instalação de painéis solares, comparticipado ao abrigo do Programa de Desenvolvimento Rural 2020.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: CMO