Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Comércio e restauração à espera de quebras entre 10% e 15% em concelhos do Oeste

aciro logo

O comércio e a restauração preveem quebras de faturação entre os 10% e os 15% até ao final do ano nos concelhos de Torres Vedras, Lourinhã, Cadaval e Sobral de Monte Agraço, devido aos efeitos causados da pandemia de Covid-19.

O presidente da ACIRO - Associação Comercial e Industrial da Região Oeste, João Esteveira, disse hoje à agência Lusa que as empresas estão, em geral, à espera de ter quebras de faturação de 10% até ao final do ano, sendo as mais significativas, entre os 10% e os 15%, nos sectores do comércio e da restauração.

“Não será um Natal normal, porque em Agosto havia expectativas que foram goradas, com as restrições que foram anunciadas, como o uso obrigatório de máscara e de apresentação de certificado de vacinação, agravados com o facto de os testes gratuitos estarem esgotados”, justificou o responsável.

Para o presidente da ACIRO, “a pandemia vem agravar todos os problemas que já existiam” com o comércio de rua. “A incerteza retira confiança e a falta de confiança afecta o consumo”, disse, por um lado, acrescentando, por outro, que as restrições anunciadas há uma semana pelo Governo para combater a pandemia criam o “receio de conviver” entre os cidadãos.

Segundo a ACIRO, os sectores da hotelaria e restauração sentem também problemas relativos à falta de mão-de-obra, decorrente dos meses em que os estabelecimentos estiveram encerrados nos períodos de confinamento em 2020 e 2021. A ACIRO existe há 102 anos e possui 1.200 associados nos concelhos da Torres Vedras, Lourinhã, Cadaval e Sobral de Monte Agraço.

Portugal continental entrou às 00h00 de 1 de Dezembro em situação de calamidade devido ao aumento do número de casos de Covid-19, nível que se vai manter até 20 de Março de 2022. Portugal continental ficou assim em situação de calamidade pela segunda vez este ano, depois de ter estado neste nível mais elevado de resposta a situações de catástrofe, previsto na Lei de Base da Protecção Civil, entre 1 de Maio e 30 de Setembro. Entre as novas regras está o regresso da obrigatoriedade do uso de máscara em todos os espaços fechados, voltando também a ser obrigatório o certificado digital Covid-19 no acesso a restaurantes, estabelecimentos turísticos e alojamento local, ginásios e eventos com lugares marcados.

Texto: ALVORADA com agência Lusa