Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Balcão ‘Nascer Cidadão’ reabriu na maternidade do Centro Hospitalar do Oeste

Balcao CHO Nascer Cidadao reabertura julho 2021

O balcão ‘Nascer Cidadão’ instalado na Unidade de Caldas da Rainha do CHO - Centro Hospitalar do Oeste retomou o seu funcionamento esta terça-feira, após ter estado suspenso no âmbito das medidas de combate à pandemia de Covid-19. Em comunicado enviado ao ALVORADA, a instituição informa que nesta primeira fase, o atendimento do balcão funcionará às terças e sextas-feiras, das 14h00 às 17h00.

Os bebés nascidos na maternidade do CHO podem agora ser registados no balcão ‘Nascer Cidadão’ do próprio hospital público caldense, não sendo necessária a deslocação ao Registo Civil para fazer o registo de nascimento. Pode ainda ser solicitada neste serviço a emissão do Cartão de Cidadão do recém-nascido. Caso não seja possível aos pais fazer o registo do nascimento no hospital, este poderá ser solicitado ‘online’ ou presencialmente em qualquer registo civil, até 20 dias após o nascimento do bebé.

Antes de sair da maternidade do CHO, e após efectuado o registo do recém-nascido no balcão ‘Nascer Cidadão’, é também possível tratar de imediato da inscrição do bebé no Serviço Nacional de Saúde - ‘Nascer Utente’. Para tal, os pais devem dirigir-se ao secretariado do Serviço de Obstetrícia do hospital público caldense e solicitar a inscrição da criança no Registo Nacional de Utentes (RNU), procedendo-se então à atribuição do respectivo número de utente e de médico de família.

“O Conselho de Administração do CHOeste vê com muito agrado a retoma do funcionamento deste serviço, dada sua pertinência para os pais dos bebés nascidos na Maternidade do CHOeste, que não terão de deslocar-se à Conservatória do Registo Civil para registar os seus filhos”, refere ainda em comunicado a instituição responsável pela gestão dos três hospitais oestinos que integram o SNS.

Texto: ALVORADA
Fotografia: CHO