Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Peniche: Centro de Diagnóstico Covid-19 do Politécnico de Leiria já realizou mais de 26 mil testes

Centro de diagnostico COVID 19

O Centro de Diagnóstico Covid-19 do Politécnico de Leiria (CDC-PL), instalado no Edifício Cetemares, em Peniche, já realizou mais de 26 mil testes desde a sua inauguração, a 28 de abril de 2020. Foram realizados até ao momento cerca de 20 mil testes PCR e mais de seis mil testes rápidos, revelou a instituição em comunicado.

Durante este ano, além da testagem em Estruturas Residenciais para Idosos (ERPI) e Serviços de Apoio Domiciliário (SAD) nas Comunidades Intermunicipais da Região de Leiria, Região de Coimbra, Oeste, Médio Tejo, e da testagem regular na comunidade académica no Politécnico de Leiria, o CDC-PL colaborou ainda com os Municípios de Peniche e de Nazaré e o Ministério do Mar na realização de testes em diversas associações de pescadores, com o Município de Leiria, e com a ARSLVT - Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo para a testagem de diversos surtos na região, entre outros, onde fosse necessário, sob coordenação do Instituto da Segurança Social, I.P.

“Volvido um ano, com mais de 40 pessoas envolvidas no laboratório e muitas mais fora dele, são mais de 26 mil testes realizados. Estamos certos de que as mais de 300 infecções detectadas em muito contribuíram para o controlo de surtos em lares, creches, grupos profissionais, fábricas e muitos outros focos na comunidade, dando o nosso contributo para reduzir o número de vítimas pelo Sars-CoV-2. Temos um centro altamente qualificado e que a qualquer momento pode dar uma resposta eficiente e com uma grande capacidade de testes. Contudo, cada um dos envolvidos espera simplesmente que não volte a ser necessário”, refere, a propósito, Marco Lemos, professor do Politécnico de Leiria e director técnico do CDC-PL.

Ainda segundo o responsável por esta estrutura em Peniche, o “CDC é um investimento muito relevante do Politécnico de Leiria para auxiliar o país e o Serviço Nacional de Saúde no combate à pandemia numa região alargada, compreendida entre Coimbra e Lisboa. Uma das certezas com que fico é que o Politécnico de Leiria, que agora integra a Rede de Laboratórios Científicos para Situações de Emergência e Riscos de Saúde Pública, pode, a qualquer altura, dar uma resposta eficiente e de altíssima qualidade sempre que a região e o país assim precisem”, afirma Marco Lemos.

Certificado pelo Instituto Nacional Dr. Ricardo Jorge, o CDC-PL conta actualmente com uma estrutura especializada com vários técnicos, distribuídos entre o processamento laboratorial de testes moleculares por PCR e pelo rastreio por testes rápidos de antigénio (TRag), assim como vários profissionais de saúde em ‘part-time’. Desde o seu primeiro dia, o centro contou também com o apoio de mais de 40 voluntários nos laboratórios, incluindo professores, investigadores e estudantes do Politécnico de Leiria, mas também voluntários externos à academia. O CDC tem uma capacidade laboratorial de 400 testes PCR diários, caso necessário, sendo que, no actual cenário pandémico, encontra-se a fazer cerca de 800 testes de PCR por semana, além dos muitos testes rápidos.

“Numa fase em que as notícias que nos chegam diariamente são muito favoráveis e o número de vacinados é cada vez maior, esperamos que o nosso papel seja a cada dia menos relevante, até não ser mais necessário. A ‘guerra’, no entanto, ainda não está ganha. As infecções ainda existem e os vacinados não estão imunes (e todos os dias no CDC temos tido provas disso). Devemos continuar a ter todas as precauções, respeitando o próximo, percebendo que numa fase de intensificação de testes rápidos, um resultado negativo é simplesmente uma fotografia daquele momento e não nos deve fazer abandonar as boas práticas adquiridas durante este último ano. Melhores dias virão… e como sempre, depende só de cada um de nós”, conclui Marco Lemos.

Texto: ALVORADA
Fotografia: Direitos Reservados