Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

CDS-PP defendeu em Peniche aumento das quotas para pesca da sardinha

Francisco dos Santos CDS Porto de Peniche

O líder do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, defendeu hoje em Peniche um aumento das possibilidades de captura da sardinha a partir de Maio como uma das medidas para contrariar a quebra de rendimentos do sector devido à pandemia. “É fundamental adequar a capacidade de exploração dos pescadores ao nível da pesca da sardinha àquilo que são os recursos que existem no mar”, afirmou Francisco Rodrigues dos Santos aos jornalistas.

O líder centrista, que se reuniu com pescadores em Peniche, disse que “quotas são manifestamente abaixo das capacidades de exploração e tem de haver uma diretriz comunitária que permita, a partir de Maio, aos pescadores usufruírem da pesca”. No âmbito do regulamento do controlo da pesca, alertou que as contraordenações estão a ser convertidas em crime, o que dissuade actuais e futuros pescadores.

Para o presidente do CDS-PP, é também necessário repensar na legibilidade dos próximos fundos comunitários para o sector, ao explicar que as exigências tecnológicas e de eficiência energética requeridas aos pescadores para aceder aos apoios comunitários deixam muitos de fora. “Exigem investimentos muito avultados que os pescadores não estão em condições de acompanhar”, explicou. Por outro lado, quando aumentam a rentabilidade, acabam também por ficar excluídos dos fundos comunitários. “Tem de haver uma melhor noção da actividade da pesca”, concluiu.

Para o líder do CDS-PP, estas medidas são fundamentais, para apoiar o sector nesta altura em que “o sector das pescas tem sido particularmente afetado por esta pandemia, porque houve uma contração da procura do pescado, o que deixou os nossos pescadores numa situação aflitiva e desesperada, porque os níveis de rendimento também diminuíram”.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Lusa