Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Covid-19: Hospital de Castelo Branco recebe doentes da região Oeste

covid 19 1320x420

O Hospital Amato Lusitano (HAL) de Castelo Branco vai receber cinco doentes infcetados pelo novo coronavírus da região de Lisboa e Vale do Tejo, foi hoje anunciado. "Foi-nos pedido para recebermos cinco doentes [Covid-19] da região de Lisboa e Vale do Tejo. Tratam-se de doentes, em princípio do Oeste, e que vêm devidamente estabilizados", anunciou a directora clínica da Unidade Local de Saúde de Castelo Branco (ULSCB), Eugénia André, numa conferência de imprensa de balanço da situação da pandemia de Covid-19.

No CHO - Centro Hospitalar do Oeste, a capacidade de internamento para doentes infectados com Covid-19 está lotada, com 71 camas ocupadas nas unidades hospitalares de Caldas da Rainha e Torres Vedras. Por isso, outros doentes têm sido transferidos para hospitais da Grande Lisboa.

Na área da ULSCB - concelhos de Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Oleiros, Penamacor, Proença-a-Nova, Sertã, Vila de Rei e Vila Velha de Ródão - existem 903 casos de infecção pelo novo coronavírus. Eugénia André disse ainda que já foram tratados no HAL mais de 300 pessoas de fora da zona abrangida pela unidade hospitalar. "O hospital tem neste momento seis doentes internados nos cuidados intensivos e 30 doentes em enfermaria Covid-19", referiu a clínica.

Na terça-feira, o HAL de Castelo Branco alocou 24 camas da Medicina Interna para internamento de doentes infetados pelo SARS-CoV-2, que se juntaram às 22 disponibilizadas anteriormente e cuja ocupação é total. Outros 12 doentes estão no domicílio a ser seguidos pela Unidade de Hospitalização Domiciliária do HAL que está sediada no serviço de Medicina Interna. "O HAL está ainda com capacidade. Temos muitos utentes internados. O serviço de Urgência e de Medicina Interna estão com uma pressão muito grande", disse.

Texto: ALVORADA com agência Lusa