Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Peniche: concurso para direcção do Museu Nacional Resistência e Liberdade só numa terceira fase

Museu Fortaleza de Peniche

Os concursos internacionais para as direcções de 18 equipamentos culturais da Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), abertos em Maio e Junho deste ano, receberam um total de 146 candidaturas, indicou hoje à agência Lusa fonte oficial. O Museu Nacional Resistência e Liberdade, instalado na Fortaleza em Peniche, não integra este concurso, o que só sucederá numa terceira fase. Em relação à nossa região apenas está integrado neste concurso a direcção do Mosteiro de Alcobaça.

Contactado pela Lusa sobre o balanço dos candidatos que se apresentaram desde então, o gabinete de imprensa da DGPC precisou que 32 cidadãos estrangeiros figuram no conjunto de candidaturas, a maior parte de Espanha e Brasil. "Entre os 146 candidatos que se apresentaram aos concursos figuram 32 cidadãos estrangeiros, verificando-se que, apesar da presença de diversas nacionalidades, a maior parte das candidaturas internacionais provem de Espanha e do Brasil. Há quatro candidatos portugueses com dupla nacionalidade", aponta a DGPC.

Em Maio e Junho, a DGPC publicou avisos de abertura de concursos para a direcção de 18 museus, palácios e monumentos tutelados, ambos publicitados em Diário da República e na imprensa nacional e internacional. "Sem identificar nomes, dado impor-se o respeito pela privacidade de todos os candidatos, informa-se também que 11 candidaturas pertencem a directores actualmente em funções nos equipamentos culturais da DGPC", acrescenta a mesma fonte. Quanto ao número de candidatos relativo a cada equipamento, varia entre um máximo de 13 e um mínimo de dois.

"Estes dados denotam uma significativa adesão do sector aos lugares abertos para a direcção de museus e monumentos portugueses, tornados pela primeira vez acessíveis a cidadãos sem vínculo de emprego público e nacionalidade não portuguesa", refere ainda a DGPC.

Em declarações à Lusa sobre os concursos para as direcções dos museus e monumentos tutelados, a secretária de Estado Adjunta e do Património Cultural, Ângela Ferreira, disse que o processo decorreu sem incidentes. "Neste concurso para as direcções de 18 museus da DGPC, ficámos bastante satisfeitos com o decorrer do processo, sem incidentes e respeitando os prazos estipulados, sobretudo porque é o primeiro desta natureza e logo com uma dimensão internacional", afirmou.

Ainda segundo a DGPC, estes concursos não incorporam o Mosteiro da Batalha, Convento de Cristo (Tomar), Museu Nacional de Arte Antiga (Lisboa), e o Museu Nacional Resistência e Liberdade (Peniche), cuja abertura para lugares de direcção deverá avançar numa terceira fase. Concluída esta fase de recepção de candidaturas, segue-se o cumprimento das etapas seguintes de selecção legalmente definidas para este tipo de procedimento concursal, nomeadamente a avaliação dos candidatos por júris.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Paulo Ribeiro/ALVORADA (arquivo)