Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

COVID-19: Estação das Caldas da Rainha integra mega-operação da CP de desinfecção dos comboios

Linha do Oeste

A estação de caminhos-de-ferro das Caldas da Rainha é, na região Oeste, a única que integra a operação de desinfecção montada pela CP - Comboios de Portugal para mitigação da Covid-19 nas suas composições. A empresa pública já realizou milhares de acções no último mês e meio nas 23 estações escolhidas para o efeito e que se encontram de norte a sul do país.

"A CP montou uma mega-operação nacional. Nos últimos 45 dias fizemos cerca de 20 mil desinfecções em todos os comboios, uma média diária de 450 desinfecções. Temos montada uma operação em várias estações do país", disse aos jornalistas o director de Manutenção e Engenharia da CP, José Carlos Barbosa, na estação do Cais do Sodré, em Lisboa.

De acordo com o responsável da empresa, as operações de desinfecção duram "cerca de 30 minutos por comboio" e são realizadas "no final de cada serviço comercial", em que "os profissionais entram dentro do comboio e fazem a respectiva desinfecção", estando o comboio pronto para circulação 30 minutos depois. "Todos os comboios que circulam na CP estão desinfectados e são desinfectados mais do que uma vez ao dia", assegurou José Carlos Barbosa, numa operação que recorre a "três funcionários das limpezas", em que "dois limpam a parte dos corrimões, onde as pessoas metem as mãos" e outra pessoa está "a pulverizar com desinfectantes recomendados pela DGS [Direcção-Geral da Saúde]".

Relativamente aos funcionários da empresa, o director de Manutenção e Engenharia da CP afirmou que cada maquinista tem um 'kit' de desinfecção. "Como sabem, os maquinistas por vezes têm de trocar os comandos das cabines, e então para não correr o risco de passar o vírus de uns para os outros, cada um tem um ‘kit’ de desinfecção com pulverizador, luvas e toalhetes para poderem limpar os comandos", detalhou José Carlos Barbosa.

Segundo o responsável, a empresa dedicou ainda "zonas de acesso reservado para a tripulação, para os revisores e maquinistas, para evitar que os comboios parem e que haja contágio" dos operacionais ferroviários.

De acordo com um comunicado da CP, as 23 estações envolvidas na operação são Algueirão-Mem Martins, Cais do Sodré, Campolide, Carcavelos, Cascais e Santa Apolónia (distrito de Lisboa), Contumil, Guifões, Marco de Canaveses, Penafiel e São Bento (distrito do Porto), Barreiro (distrito de Setúbal), Braga e Guimarães (distrito de Braga), Faro e Vila Real de Santo António (distrito de Faro), Caldas da Rainha (Leiria), Covilhã (Castelo Branco), Entroncamento (Santarém), Coimbra, Beja, Évora e Guarda (distritos homónimos). Estão também envolvidas nas operações de desinfeção onze oficinas, no caso as de Contumil (Centro de Manutenção e de Alta Velocidade), Guifões (Metro do Porto e CP), Sernada do Vouga (Aveiro), Campolide, Santa Apolónia e Oeiras (Lisboa), Entroncamento, Barreiro e Vila Real de Santo António.

"São também realizadas operações de desinfecção em Pontos de Venda, Equipamentos de Venda Automática e instalações fixas", segundo o comunicado da CP. De acordo com a empresa, desde o início da pandemia de Covid-19 foram comprados mais de 60 mil litros de desinfectante, distribuídos 850 'kits' de desinfecção de cabinas e 50 pulverizadores. Aos trabalhadores foram entregues 70 mil luvas, 125 mil máscaras, 1.500 litros de álcool gel e 4.000 doses individuais de 100 mililitros.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Paulo Ribeiro/ALVORADA (arquivo)