Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Login

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Serviço Municipal de Protecção Civil da Lourinhã declara Situação de Alerta

SMPC Lourinha

O Serviço Municipal de Protecção Civil da Lourinhã emitiu um comunicado ode é manifestada a situação de alerta para o perigo de incêndio rural e risco para a saúde pública devido às condições meteorológicas adversas para os próximos dias. Em função da previsão da evolução das condições meteorológicas é expectável o tempo muito quente e seco com condições favoráveis à eventual ocorrência e propagação de incêndios rurais. Em termos operacionais, a manutenção do Estado de Alerta Especial, de nível laraja, decorre entre hoje e domingo. De acordo com a informação disponibilizada pelo IPMA - Instituto Português do Mar e da Atmosfera, para os próximos dias, salienta-se a temperatura máxima com valores entre 28 e 40ºC, temperatura mínima entre 12 e 20ºC, humidade relativa do ar (HRA) a apresentar valores entre 15 e 35% durante a tarde, com valores entre 35 e 60% na faixa costeira com fraca e má recuperação nocturna, vento inferior a 15km/h, temporariamente de noroeste inferior a 30km/h durante a tarde.

O SMPC recomenda ainda a necessidade de todos adequarem os comportamentos e atitudes face à situação de perigo de incêndios rurais, nomeadamente com a adoção das necessárias medidas de prevenção e precaução, observando as proibições em vigor e tomando especial atenção à evolução do perigo de incêndio para os próximos dias, disponível junto dos sítios da internet da ANEPC - Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil e do IPMA - Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

O SMPC recomenda também que sejam escrupulosamente observadas as recomendações da Direcção-Geral de Saúde relativas às medidas de autoprotecção relevantes para a situação meteorológica em curso, tais como: procurar ambientes frescos (preferencialmente climatizados); evitar que o calor entre dentro das habitações; correr as persianas ou portadas e mantenha o ar circulante dentro de casa; refrescar a habitação e evite ligar fornos; beber água ou sumos de fruta natural sem açúcar e evitar o consumo de bebidas alcoólicas; evitar a exposição direta ao sol, principalmente entre as 11h00 e as 17h00; utilizar roupa solta (algodão) que cubra a maior parte do corpo, chapéu de abas largas e óculos de sol; utilizar protector solar com fator >30 e renovar a sua aplicação de duas em duas horas; escolher as horas de menor calor para viajar de carro; não permanecer dentro de viaturas estacionadas e expostas ao sol, nem deixe os animais domésticos no carro; evitar actividades que exijam grandes esforços físicos; dar atenção especial a grupos mais vulneráveis ao calor, tais como: crianças, idosos, doentes crónicos, grávidas, pessoas com mobilidade reduzida, trabalhadores com actividade no exterior, pessoas isoladas; ofereça água aos recém-nascidos, crianças, pessoas idosas e pessoas doentes que não conseguem manifestar sede; os doentes crónicos ou sujeitos a medicação e/ou dietas especificas devem ser seguir as recomendações do médico assistente;

Recorde-se que foram declaradas medidas de carácter excepcional, a nível nacional, no âmbito da situação de alerta, nomeadamente a elevação do grau de prontidão e resposta operacional por parte da GNR e da PSD, com reforço de meios para operações de vigilância, fiscalização, patrulhamentos dissuasores de comportamentos e de apoio geral às operações de protecção e socorro que possam vir a ser desencadeadas, considerando-se para o efeito autorizada a interrupção da licença de férias e/ou suspensão de folgas e períodos de descanso; e proibição da realização de queimadas e de queimas de sobrantes de exploração; proibição total da utilização de fogo-de-artifício ou outros artefactos pirotécnicos, independentemente da sua forma de combustão, bem como a suspensão das autorizações que tenham sido emitidas; dispensa dos trabalhadores dos sectores público e privado que desempenhem cumulativamente as funções de bombeiro voluntário; proibição do acesso, circulação e permanência no interior dos espaços florestais, previamente definidos nos Planos Municipais de Defesa da Floresta contra Incêndios (PMDFCI), bem como nos caminhos florestais, caminhos rurais; recurso aos meios disponíveis previstos no Plano Nacional e nos Planos Distritais de Emergência e Protecção Civil; realização pela GNR de acções de patrulhamento (vigilância) e fiscalização aérea através de meios da Força Aérea, nos distritos em Estado de Alerta Especial (EAE), incidindo nos locais sinalizados com um risco de incêndio muito elevado e máximo; mobilização em permanência das equipas de sapadores florestais; proibição de realização de trabalhos nos espaços florestais, com excepção dos associados a situações de combate a incêndios rurais, com recurso a motorroçadoras de lâminas ou discos metálicos, corta-matos, destroçadores e máquinas com lâmina ou pá frontal.

Texto: ALVORADA
Fotografia: Paulo Ribeiro/ALVORADA (arquivo)