Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Dino Parque da Lourinhã expõe pela primeira vez novos fósseis descobertos em Portugal

plesiopharosmoelensis

A partir da próxima sexta-feira, dia 13, e até ao fim do Verão, fósseis do ‘Plesiopharos moelensis’ descobertos em Portugal vão estar em exibição pela primeira vez no Dino Parque da Lourinhã.

Esta nova espécie de réptil marinho da era dos dinossauros, habitou o nosso planeta há cerca de 195 milhões de anos e é o mais antigo e completo exemplar da Península Ibérica. Tem uma forma que o associa facilmente à silhueta do célebre monstro do Lago Ness.

Os fósseis foram descobertos por dois coleccionadores, Victor Teixeira e António Domingos, em São Pedro de Moel, no concelho da Marinha Grande. Doados ao Museu da Lourinhã, foram preparados no laboratório do Dino Parque por uma equipa internacional de paleontólogos e geólogos ligados a várias instituições.

O trabalho, publicado na revista ‘Acta Palaeontologica Polonica’, foi liderado pelo lourinhanense Simão Mateus, director científico do Dino Parque, e teve como primeiro autor Eduardo Puértolas-Pascual, investigador da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

Simão Mateus destaca a importância da investigação: “O ‘Plesiopharos’ é o mais antigo e completo plesiossauro da Península Ibérica e vai ser um fóssil de destaque na compreensão da evolução dos répteis marinhos nesta zona do Atlântico que, à altura, se estava a formar. Sinto-me muito orgulhoso de ter coordenado a investigação do ‘Plesiopharos’, o primeiro fóssil completamente investigado no Dino Parque e, com certeza, o primeiro de muitos”.

Para Luís Rocha, director geral do Dino Parque, é um orgulho poder exibir uma descoberta tão relevante: “foi sempre um dos objectivos mais importantes para o nosso parque podermos contribuir para que a Lourinhã e Portugal continuem a ser uma das principais localizações de achados a nível mundial”. O director sublinha ainda que a descoberta e a exposição são “um incentivo para continuar a apoiar a ciência da paleontologia em Portugal”.

A exposição temporária dará a conhecer não apenas os fósseis do ‘Plesiopharos moelensis’, mas também a evolução dos plesiossauros e outros répteis marinhos da era dos dinossauros, as primeiras descobertas e a importância geológica da área de São Pedro de Moel.

Texto: ALVORADA
Ilustração: Simão Mateus