Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Login

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Cerimónias evocativas da Batalha do Vimeiro foram restritas devido à pandemia de Covid-19

batalha do vimeiro 2020

As comemorações do 212º aniversário da Batalha do Vimeiro foram hoje assinaladas de forma condicionada devido à pandemia de Covid-19, razão pela qual esteve presente na cerimónia uma delegação do Exército mais pequena do que é habitual, cuja representação foi liderada pelo coronel Luís Filipe Costa Figueiredo, em representação do director de História e Cultura Militar do Exército, major-general Aníbal Flambó. A população foi aconselhada a acompanhar as cerimónias através da transmissão em directo pela página oficial da autarquia no Facebook, a partir das 11h00, de forma a não se registar grandes concentrações de pessoas no local, objectivo que foi conseguido.

Durante a tradicional alocução na cerimónia evocativa, que decorreu junto ao Monumento Comemorativo, o presidente da Câmara Municipal da Lourinhã destacou que o programa oficial foi adaptado por imperativo de saúde pública, justificando o cancelamento, este ano, da recriação histórica e do mercado oitocentista, eventos que juntam anualmente milhares de pessoas no Vimeiro. “Ao longos dos dias 17, 18 e 19 de Julho, através das redes sociais, foram disponibilizados um conjunto de vídeos com momentos de animação e musicais, ofícios da época, entre outros”, sublinhou o autarca, não esquecendo o orgulho destes eventos terem sido nomeados para a fase distrital do concurso ‘Sete Maravilhas da Cultura Popular’.

O autarca destacou, também, a aprovação pelo Turismo de Portugal de um projecto da edilidade no âmbito da Linha de Apoio ao Turismo Acessível, que permitiu a renovação do Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro com novos recursos e equipamentos que cumprem os padrões da acessibilidade. Desta forma, este equipamento municipal tornou-se “ainda mais inclusivo para que todos tenham acesso a este património histórico-militar e cultural”. João Duarte Carvalho deixou palavras de agradecimento ao Exército, Junta de Freguesia do Vimeiro e Grupo de Recreação da Associação para a Memória da Batalha do Vimeiro pela “forma próxima e empenhada como tem colaborado” com a autarquia, pois “só com esta parceria é possível transmitir a importância e o simbolismo desta data”.

Para o Exército, através do seu porta-voz presente nesta cerimónia, a comemoração da Batalha do Vimeiro representa “a reabilitação evocativa da luta do povo português pela soberania nacional” que“foi cimentada através de diversas guerras, as quais constituíram uma sucessão de acontecimentos históricos, cujos passos merecem ser recordados, em comemorações com características evocativas, avivando a memória, estimulando o conhecimento e assim incentivar o interesse pela história da nossa pátria”. Sobre este acontecimento que ocorreu na nossa região no século XIX, destacou que “foi uma inegável vitória das forças anglo-lusas perante as forças da França Imperial, pondo termo à I Invasão Francesa”, pelo que representa uma “homenagem a todos os que lutaram por amor à pátria e pela independência nacional”, concretamente "aos militares mortos na Batalha do Vimeiro, extensível a todos os que deram a vida pela pátria”.

O capelão do Exército, major Paulo Ribeiro da Silva, sublinhou na ocasião que “o espírito de gratidão marca este momento. Com saudade e em família recordamos os nossos mortos - militares e civis - que deram a sua vida ao serviço da pátria” e que “deram o melhor que sabiam e podiam pela nossa gente e pelo seu povo”.

Recorde-se que esta batalha foi travada no dia 21 de Agosto de 1808, durante a primeira invasão francesa, que opôs o exército de Napoleão Bonaparte às forças portuguesas e inglesas. As cerimónias decorreram com a presença de pouco público e com um programa oficial mais restrito, tendo começado, como habitualmente, com a celebração da eucaristia na Igreja de São Miguel, em memória das vítimas do conflito, com início às 9h30. Durante a celebração religiosa decorreu junto ao Monumento Comemorativo, defronte do Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro, o hastear da bandeira nacional pelo Grupo de Recriação Histórica da Associação para a Memória da Batalha do Vimeiro depois da realização de um treino.

Às 11h00 deu-se início à Cerimónia de Homenagem aos Combatentes mortos na Batalha do Vimeiro, extensiva a todos quantos deram a vida pela pátria, com a tradicional deposição de coroas de flores no Monumento Comemorativo, seguindo-se a prece pelo Capelão Militar, encerrando com um discurso do presidente da Câmara Municipal, João Duarte Carvalho.

Após as cerimónias militares, o Grupo de Recriação Histórica da Associação para a Memória da Batalha do Vimeiro deslocou-se ao cemitério, juntamente com as entidades oficiais e população, para uma homenagem em memória dos camaradas falecidos Joaquim Loureiro, Eduardo Jorge e Fernando Rodrigues. Falando em nome da associação, José Tomé destacou o trabalho realizado pelos falecidos “que foram determinantes na formação desta associação”. “Por eles aqui estamos para seguir sempre o exemplo de dedicação e empenho aquilo que foi a sua actividade da prática da cidadania activa e, em particular, da temática das Invasões Francesas e da Batalha do Vimeiro”, sublinhou o também vereador da Câmara Municipal da Lourinhã.

Após esta homenagem teve lugar uma visita ao Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro, antecedida pela bênção das instalações que foram recentemente intervencionadas pelo Pe. Tiago Roque, natural do Vimeiro e pároco da Ota, no concelho de Alenquer, concluindo-se o programa com a cerimónia do Arriar das Bandeiras novamente junto ao monumento.

Texto: ALVORADA
Fotografia: Paulo Ribeiro/ALVORADA