Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Login

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

DIÁSPORA-COVID-19: testemunho de Diogo Constâncio, do Nadrupe, residente no Canadá

diogoconstancio1

Como está a viver a Diáspora da Lourinhã este novo tempo, em que o centro das atenções é a pandemia da Covid-19? O ALVORADA iniciou a partilha de testemunhos de vida dos emigrantes lourinhanenses que se encontram espalhados pelos quatro cantos do mundo.

Neste tempo difícil que todos atravessamos, com uma pandemia que reduz ao máximo o contacto entre todos, queremos desta forma manter bem vivo o que nos une. Queremos contribuir para que quem esteja longe, fique mais perto de nós, na Lourinhã.

Partilhe e, caso tenha algum familiar e amigo que queira que o contactemos, para aqui deixar o seu testemunho, envie-nos mensagem pelo nosso Facebook ou para o endereço electrónico Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar..

Fique em segurança. Cuide de si e dos outros!

Este 45º testemunho é de Diogo Constâncio, do Nadrupe, a residir em Alliston, Ontário, no Canadá. Trabalha na indústria do petróleo e gás.

Desde 2006 o Canadá tem sido a minha segunda casa. A província de Ontário é onde me encontro com a minha mulher Kristina e os meus dois filhos, Aiden e Bentley. Na nossa província há muitos casos de Covid-19, com 19.944 positivos e 1.599 mortes infelizmente. O número de infectados tem vindo a diminuir aos poucos e o Governo do Canadá está a tentar retomar a actividade económica e a vida social em fases.

Em relação à minha família, estamos em isolamento há cerca de um mês e só eu saio de casa para comprar comida e outras necessidades básicas, mas sempre com muita apreensão. Tem sido difícil porque, como todas as pessoas, gostamos muito do sol, de ar livre e de praticar desporto mas agora não é o momento de fazer o que gostamos. Também tem sido difícil não poder visitar os nossos familiares e amigos, especialmente para as crianças que não entendem o que se está a passar no mundo. Há umas semanas atrás não dávamos valor às coisas mais simples da vida mas espero que, após este período menos bom, voltemos a nos abraçar e a dar mais valor à família e aos amigos. Nesta pandemia, as coisas mudaram muito rápido que nem nos apercebemos de como éramos felizes e não sabíamos.

Por último quero deixar uma mensagem de agradecimento aos profissionais de saúde pela dedicação e esforço incondicional durante esta pandemia. 

Cumprimentos para as pessoas do concelho da Lourinhã com muitas saudades. Em breve estaremos juntos, se Deus quiser.