Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

DIÁSPORA-COVID-19: testemunho de Isabel Simões, da Bufarda, residente no Canadá

isabelsimoes

Como está a viver a Diáspora da Lourinhã este novo tempo, em que o centro das atenções é a pandemia da Covid-19? O ALVORADA iniciou a partilha de testemunhos de vida dos emigrantes lourinhanenses que se encontram espalhados pelos quatro cantos do mundo.

Neste tempo difícil que todos atravessamos, com uma pandemia que reduz ao máximo o contacto entre todos, queremos desta forma manter bem vivo o que nos une. Queremos contribuir para que quem esteja longe, fique mais perto de nós, na Lourinhã.

Partilhe e, caso tenha algum familiar e amigo que queira que o contactemos, para aqui deixar o seu testemunho, envie-nos mensagem pelo nosso Facebook ou para o endereço electrónico Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar..

Fique em segurança. Cuide de si e dos outros!

Este 33º testemunho é de Isabel Simões, natural da Bufarda, concelho de Peniche e residente em Montreal, no Canadá. Quando vem de férias a Portugal, fica alojada no Alto Veríssimo. Com 63 anos e aposentada, vive no Canadá há 55 anos e há 44 anos na cidade de Montreal.

Agora com esta nova realidade do coronavírus, eu e o meu marido estamos em casa há várias semanas. Só saímos para dar umas pequenas caminhadas. As nossas duas filhas e três netos não vivem muito longe de nós mas agora não pode haver visitas. Falamos todos os dias por vídeo-chamada. Os dois netos mais velhos andam na universidade mas agora fazem todos os trabalhos online. Uma das minhas filhas ainda continua a trabalhar fora, pois ela trabalha num hospital e portanto tem mesmo de trabalhar. A outra filha agora trabalha a partir de casa também online.

Hoje a comunidade portuguesa, como tantas outras está em casa, à excepção de alguns serviços, pois está quase tudo encerrado, menos padarias, supermercados e farmácias que continuam abertos. As notícias são assustadoras tanto aqui como em Portugal. O que mais me assusta muito são as notícias dos lares de idosos. A minha mãe está no lar da Nossa Senhora da Guia, na Atalaia. Por agora está tudo bem mas é muito assustador saber que ela não pode ter visitas e só falamos com ela pelo WhatsApp.

Que tenhamos todos muita fé e peço que fiquem em casa para o bem de todos.