Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Login

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

DIÁSPORA-COVID-19: testemunho de Paulo Pereira e Ivone Vieira, do Merendeiro, residentes em França

pauloeivone

Como está a viver a Diáspora da Lourinhã este novo tempo, em que o centro das atenções é a pandemia da Covid-19? O ALVORADA iniciou a partilha de testemunhos de vida dos emigrantes lourinhanenses que se encontram espalhados pelos quatro cantos do mundo.

Neste tempo difícil que todos atravessamos, com uma pandemia que reduz ao máximo o contacto entre todos, queremos desta forma manter bem vivo o que nos une. Queremos contribuir para que quem esteja longe, fique mais perto de nós, na Lourinhã.

Partilhe e, caso tenha algum familiar e amigo que queira que o contactemos, para aqui deixar o seu testemunho, envie-nos mensagem pelo nosso Facebook ou para o endereço electrónico Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar..

Fique em segurança. Cuide de si e dos outros!

Este 26º testemunho é do casal Paulo Pereira e Ivone Vieira, do Merendeiro e residentes em Épinay-sur-Seine, em França. Estão emigrados há 9 anos e trabalham como motorista de pesados e guardiã de condomínios, respectivamente.

Vivemos em Épinay-sur-Seine, nos arredores de Paris, e encontramo-nos confinados obrigatoriamente devido ao grave problema da existência da Covid-19. Não é fácil para ninguém. Estamos em casa desde o dia 18 de Março e só podemos sair de casa para primeiras necessidades como farmácia, supermercado, passear o cão, etc. Temos familiares e amigos aqui perto mas não nos podemos encontrar porque é expressamente proibido.

A comida nos supermercados ainda vai havendo mas a escassear e os produtos frescos cada vez são mais caros. Estamos na esperança de visitar a família em Portugal no próximo Verão. É nosso hábito regressar a Portugal duas vezes por ano.

Vamos conseguir ganhar esta guerra... sim.