Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Login

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

DIÁSPORA-COVID-19: testemunho de Paula Ramos, de Santa Bárbara, residente no Canadá

paularamos1

Como está a viver a Diáspora da Lourinhã este novo tempo, em que o centro das atenções é a pandemia da Covid-19? O ALVORADA iniciou a partilha de testemunhos de vida dos emigrantes lourinhanenses que se encontram espalhados pelos quatro cantos do mundo.

Neste tempo difícil que todos atravessamos, com uma pandemia que reduz ao máximo o contacto entre todos, queremos desta forma manter bem vivo o que nos une. Queremos contribuir para que quem esteja longe, fique mais perto de nós, na Lourinhã.

Partilhe e, caso tenha algum familiar e amigo que queira que o contactemos, para aqui deixar o seu testemunho, envie-nos mensagem pelo nosso Facebook ou para o endereço electrónico Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar..

Fique em segurança. Cuide de si e dos outros!

Este 19º testemunho é de Paula Ramos, natural de Santa Bárbara e residente em Toronto, no Canadá.

Sou Paula Ramos, natural de Santa Bárbara e tendo vivido em Ribamar e nos últimos anos na Praia da Areia Branca. Vivo actualmente em Toronto. Por aqui podemos trabalhar em alguns sítios assim como nas obras pois nem todas as empresas pararam ainda até novas ordens. Muita gente foi para casa com os filhos por causa do fecho das escolas, universidades e creches. Podem trabalhar a partir de casa também, na construção já fecharam muitas empresas por iniciativa própria. Aqui os pais ainda podem levar as crianças e os animais à rua a dar uma voltinha, mas sem ter contacto com outros. Nos parques são proibidos dar passeios. Em casa lavar as mãos sempre bem lavadas. Os nossos idosos é que devem estar em casa pelo menos os próximos quatro meses até novas ordens mas vão às compras os que precisarem, claro. Penso que isto com calma, serenidade e respeito às regras impostas, vai correr bem. Esperamos que sim, por quanto tempo não se sabe, mas vamos caminhando conforme nos é recomendado. Só assim podemos alcançar os objectivos desejados. Dias melhores virão se todos fizermos a nossa parte.