Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

DIÁSPORA-COVID-19: testemunho de Cristina Almeida, das Capelas, que reside na Alemanha

Bad Liebenzell Familia Almeida

Como está a viver a Diáspora da Lourinhã este novo tempo, em que o centro das atenções é a pandemia da Covid-19? O ALVORADA iniciou a partilha de testemunhos de vida dos emigrantes lourinhanenses que se encontram espalhados pelos quatro cantos do mundo.

Neste tempo difícil que todos atravessamos, com uma pandemia que reduz ao máximo o contacto entre todos, queremos desta forma manter bem vivo o que nos une. Queremos contribuir para que quem esteja longe, fique mais perto de nós, na Lourinhã.

Partilhe e, caso tenha algum familiar e amigo que queira que o contactemos, para aqui deixar o seu testemunho, envie-nos mensagem pelo nosso Facebook ou para o endereço electrónico Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar..

Fique em segurança. Cuide de si e dos outros!

Este 12º testemunho é de Cristina Almeida, das Capelas, que reside há 34 anos com o marido e o filho em Bad Liebenzell, na Alemanha, onde trabalha numa creche:

Olá

Bad Liebenzell fica situado na região de Estugarda, tem cerca de 9.500 habitantes, dos quais uns 500 portugueses e a maioria são lourinhanenses. No ano passado festejámos a geminação com a Lourinhã.

Agora faço-vos um testemunho de como estamos a viver nesta altura em que só se fala do Covid-19. Ao princípio não se pensava que isto realmente nos ia afectar, até chegar o primeiro caso a Bad Liebenzell. Daí para a frente começou a corrida aos supermercados. Algumas prateleiras estão vazias outras estão completamente vazias. Certos bens alimentares esgotados e ainda produtos de higiene.

Começaram a fechar escolas, creches e firmas. Até os idosos dispensaram as mulheres de limpeza. Igrejas estão fechadas, não há missas, baptizados e casamentos. As ruas estão desertas, só sai de casa quem é obrigado a sair para ir trabalhar ou comprar as coisas mais importantes.

Esta situação é realmente muito assustadora! Temos de cumprir as regras para a nossa protecção e do próximo.

Família Almeida