Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Dia das Vocações chama os "dispostos a agir em favor dos que anseiam pela paz” - Comissão episcopal

cevm

A Comissão Episcopal das Vocações e Ministérios defende que as experiências da pandemia e da guerra no leste da Europa tornam as vocações religiosas um chamamento aos dispostos a agir em favor dos que “dos que anseiam pela paz”.

No contexto actual, entre as experiências da pandemia e da guerra, as vocações podem ser contempladas como dons activos de Deus, que requerem o acolhimento (com)passivo de pessoas que estejam dispostas a deixarem-se transformar pela bondade com que o próprio Deus quer destinar-lhes e, a partir delas, ‘aspergi-la’ por gestos concretos em favor dos que fogem da ansiedade que rouba o sentido de viver e dos anseiam pela paz”, escreve a Comissão Episcopal das Vocações e Ministérios (CEVM), presidida pelo bispo de Vila Real, António Augusto Azevedo, numa mensagem para a Semana das Vocações, que culmina no domingo com o 59.º Dia Mundial de Oração pelas Vocações.

Para este órgão da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), “nesta hora de tremenda mudança, o verbo da missão - envio a ajudar - conjuga-se com o verbo da vocação - chamar os que ainda não encontraram o seu sentido não em ideias abstratas, mas em acções concretas de bem para a humanidade”.

A actual situação de conflito na Europa está também presente na mensagem do Papa para o Dia Mundial das Vocações, intitulada 'Chamados para construir a família humana', em que Francisco evoca os “ventos gélidos da guerra e da opressão”, exortando ao cumprimento da vocação de ser “guardião” do próximo e da natureza, construindo “laços de concórdia e partilha” que abram caminho a “uma grande família humana unida no amor”.

Sentimos urgente necessidade de caminhar juntos cultivando as dimensões da escuta, participação e partilha”, escreve o pontífice, acrescentando o desejo de ver “todos os homens e mulheres de boa vontade” envolvidos na construção de uma “família humana, curar as suas feridas e projectá-la para um futuro melhor”.

Texto: ALVORADA com agência Lusa