Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Conferência Episcopal Portuguesa define em Abril metodologia de acesso aos arquivos diocesanos

CEP 2

Os bispos católicos vão definir em Abril a metodologia de acesso aos arquivos diocesanos por parte da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos de Menores na Igreja, informou hoje o secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP).

No final da reunião do Conselho Permanente da CEP, que hoje decorreu em Fátima, o Pe. Manuel Barbosa sublinhou “a disponibilidade” dos bispos das diferentes dioceses para a abertura dos arquivos, mas é necessário definir a forma como o acesso será feito, para “observar as normas em vigor a nível civil e canónico”, bem como respeitar a legislação sobre protecção de dados.

O Pe. Manuel Barbosa referiu-se também à criação, no passado sábado, do grupo coordenador das 21 comissões diocesanas de protecção de menores e adultos vulneráveis, afirmando que “estas comissões têm como tarefas principais acompanhar as vítimas quanto a denúncias e encaminhá-las para as devidas instâncias”. Já quanto à coordenação nacional, caber-lhe-á assessorar e coordenar o trabalho das comissões diocesanas e procurar elaborar procedimentos e manuais de métodos comuns para todas. Vai ainda colaborar, sempre que necessário, com a Comissão Independente para o Estudo dos Abusos de Menores na Igreja.

Esta Comissão Independente, criada pela Igreja no final de 2021 e presidida pelo pedopsiquiatra Pedro Strecht, está a fazer “um trabalho excelente”, esperando a Conferência Episcopal que ajude a clarificar “o mais possível todas estas situações [de abusos] na Igreja e nos seus organismos (…), para que se apure a verdade”, disse o Pe. Manuel Barbosa. “É importante que se faça o trabalho bem neste processo e que não se queimem etapas no sentido de apressar que se façam as coisas”, pelo que, se for necessário prolongar o período de funcionamento da Comissão Independente para além de Dezembro de 2022, isso será feito".

Na reunião de hoje do Conselho Permanente, os bispos analisaram também os resultados das últimas legislativas, deixando um desejo de que e a governação e a ação legislativa tenham em conta as preocupações da Igreja em relação “aos grandes problemas da sociedade”, como “o respeito pela vida humana e a sua salvaguarda integral, as situações de pobreza e a coesão económica, as questões de justiça e de segurança, a desertificação do interior do país, a situação dos imigrantes e os problemas ambientais, numa linha da ecologia integral que o Papa Francisco tanto tem pregado”.

A aprovação de uma nota pastoral para celebrar a entrada em vigor da nova tradução do Missal Romano em português na Quinta-feira Santa, bem como a continuação da preparação da Assembleia Plenária da Conferência Episcopal, a decorrer entre 24 e 27 de Abril, estiveram também na ordem de trabalhos da reunião de hoje.

Texto: ALVORADA com agência Lusa