Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Taxas Euribor sobem a 6 e a 12 meses para máximos desde Fevereiro de 2016 e Outubro de 2014

BCE

As taxas Euribor subiram hoje em todos os prazos e a seis e a 12 meses para novos máximos desde Fevereiro de 2016 e Outubro de 2014, respectivamente.

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, subiu hoje para -0,073%, mais 0,012 pontos do que na sessão anterior e um novo máximo desde Fevereiro de 2016.

A manter-se a tendência de hoje, as Euribor a seis meses deverão terminar Maio já em terreno positivo, depois de terem registado um 'pico' em 2020 devido à pandemia da Covid-19, ultrapassado na semana passada, e entrado em terreno negativo em Novembro de 2015.

No prazo de 12 meses, a taxa Euribor também avançou hoje, ao ser fixada em 0,364%, mais 0,016 pontos e um novo máximo desde Outubro de 2014. Após ter disparado em 12 de Abril para 0,005%, pela primeira vez positiva desde 5 de Fevereiro de 2016, a Euribor a 12 meses está em terreno positivo desde 21 de Abril.

A três meses, a Euribor também subiu, ao ser fixada em -0,356%, mais 0,007 pontos, depois de ter avançado em 19 de Maio até -0,348%, um máximo desde Julho de 2020.

As Euribor começaram a subir mais significativamente desde 4 de Fevereiro, depois de o Banco Central Europeu (BCE) ter admitido que poderia subir as taxas de juro directoras este ano devido ao aumento da inflação na zona euro e a tendência foi reforçada com o início da invasão da Ucrânia pela Rússia em 24 de Fevereiro.

A evolução das taxas de juro Euribor está intimamente ligada às subidas ou descidas das taxas de juro directoras BCE.

As taxas Euribor a três, a seis e a 12 meses entraram em terreno negativo em 21 de Abril de 2015, 6 de Novembro de 2015 e 5 de Fevereiro de 2016, respectivamente.

Texto: ALVORADA com agência Lusa