Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Tarifa social de Internet já pode ser subscrita pela população

Anacom

A Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) aunciou hoje que a tarifa sofial de Internet "já pode ser subscrita" e que a aprovou a oferta da Nowo neste âmbito, a qual "pode ser desde já disponibilizada".

O grupo NOS, a Meo (Altice Portugal), a Prodevice e a Vodafone "devem ajustar as suas ofertas no prazo máximo de 10 dias úteis, tal como determinado pela ANACOM, podendo, à medida que o façam, disponibilizar as respectivas ofertas", adianta o regulador liderado por João Cadete de Matos.

A tarifa social de Internet, definida anualmente pelo Governo, "visa permitir às famílias com baixos rendimentos ou com necessidades sociais especiais, acederem a serviços de Internet em banda larga, fixa ou móvel".

Para beneficiar desta tarifa, "o pedido deverá ser formulado junto de um prestador", o qual será depois encaminhado para a ANACOM, "que verificará se reúne todos os requisitos", explica o regulador. Se reunir todos os requisitos, a ANACOM informa o operador "e este terá de activar a tarifa social no prazo máximo de 10 dias".

O regulador recorda que "todos os operadores que oferecem serviços de acesso à Internet a clientes residenciais serão obrigados a disponibilizar a tarifa social em todo o país, desde que exista infraestrutura instalada e/ou cobertura móvel que permita prestar este serviço". Cada agregado familiar "apenas pode beneficiar de uma tarifa social de acesso à Internet".

As pessoas que beneficiem da pensão social de velhice ou do complemento solidário para idosos; do subsídio de desemprego; da pensão social de invalidez do regime especial ou do complemento da prestação social para inclusão; do rendimento social de inserção; do abono de família; e os agregados familiares com "rendimento anual igual ou inferior a 5.808 euros, acrescidos de 50% por cada membro do agregado familiar que não disponha de rendimento, até um limite de 10 pessoas", pode aceder à tarifa. "Nestas famílias, se existirem estudantes universitários deslocados, a estudar noutros municípios, podem solicitar a oferta adicional de tarifa social", refere a ANACOM.

A tarifa social de Internet tem uma mensalidade de cinco euros mais IVA, inclui um mínimo de 15 GB de dados por mês, e os operadores "devem assegurar uma velocidade mínima de 'download' de 12 Mbps e 2 Mbps de 'upload'". Esta medida deve permitir ao beneficiário utilizar o correio electrónico; procurar e consultar todo o tipo de informação em motores de pesquisa; utilizar ferramentas educativas e de formação; aceder a jornais ou notícias; comprar ou encomendar bens ou serviços; procurar emprego; efetuar ligações em rede, a nível profissional; utilizar serviços bancários 'online' e serviços da Administração Pública; utilizar redes sociais e mensagens instantâneas; e efectuar chamadas e videochamadas com qualidade, recorda a ANACOM.

"Pode ainda ser cobrado um valor máximo e único de 21,45 euros mais IVA para serviços de activação e/ou para equipamentos de acesso. O beneficiário da tarifa social de Internet pode optar pelo pagamento deste valor em seis, 12 ou 24 meses a par da possibilidade de pagamento integral na primeira factura", acrescenta.

Esta tarifa não inclui televisão e telefone.

Texto: ALVORADA com agência Lusa