Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Estudo de investigadores portugueses prevê alargamento para norte de ‘território’ da sardinha

pesca da sardinha

Investigadores do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE-Ispa) antecipam num estudo publicado hoje, que até ao final do século a sardinha europeia poderá alargar o seu ‘território’ para norte, em direcção à Noruega e Mar Branco.

O estudo, publicado na revista ‘Science of the Total Environment’, dá conta que a deslocação das populações de sardinha europeia (Sardina pilchardus) será impulsionada pelo aumento da temperatura da água do mar e pelas suas interações com a salinidade, as correntes oceânicas e a distância à costa. “Na última década, os ‘stocks’ ibéricos desta espécie têm estado em níveis baixos, mas nos últimos dois anos mostraram sinais de recuperação. No entanto, esta espécie é particularmente vulnerável à variabilidade climática por serem organismos cuja temperatura corporal é regulada pela temperatura da água e por terem elevados requisitos energéticos e metabólicos”, escrevem os investigadores em comunicado sobre o estudo.

O investigador do MARE-Ispa e autor principal do estudo André Lima adianta ainda que, “considerando um cenário de alta emissão de gases de efeito estufa nos nossos modelos", estima-se que as sardinhas "irão expandir a sua distribuição em aproximadamente 10%, colonizando a costa da Noruega até ao Mar Branco - uma vez que essas regiões apresentarão características ambientais favoráveis à espécie em 2100".

Foi ainda possível, acrescenta o investigador, “identificar que o norte do Mediterrâneo, a Península Ibérica e as Ilhas Canárias se tornarão ambientes ainda mais favoráveis, enquanto boa parte da costa norte-africana e das águas da Irlanda e Reino Unido perderão os requisitos ambientais exigidos pelas sardinhas”.

O coordenador do projecto ‘SardiTemp’, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia e por Fundos Europeu de Desenvolvimento Regional, Gonçalo Silva sublinha, no mesmo comunicado, que é necessário “interpretar estes resultados com o devido cuidado, porque apesar de se prever um aumento da área de distribuição dos adultos em cerca de 10%, neste estudo não são abordados aspectos relacionados com a biomassa, áreas de reprodução e de crescimento dos juvenis, pesca, entre outros factores”.

Para o investigador, a compreensão dos efeitos do aquecimento global “é fundamental para uma gestão sustentável dos ‘stocks’ ao longo do tempo e para a definição de novas áreas de pesca deste recurso de grande importância cultural e económica na Península Ibérica".

Este é o segundo artigo realizado no âmbito do projecto ‘SardiTemp’, “que tem como objectivo estimar o impacto das alterações climáticas na biologia e ecologia de pequenos peixes pelágicos”.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Carlos Tiago (arquivo)