Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Pesca: Armadores portugueses temem parar durante 2021 por quotas insuficientes

Lota de Peniche

A Associação dos Armadores da Pesca Industrial (ADAPI) alertou que a redução das capturas de pesca, definida hoje pela Comissão Europeia, pode obrigar as embarcações portuguesas a parar durante 2021.

"Nas espécies com valor comercial, as quotas aprovadas por Portugal são manifestamente insuficientes para o esforço de pesca para os casos da pescada, do tamboril, do lagostim, da sarda, do peixe-espada preto e do linguado", disse à agência Lusa Pedro Jorge Silva, presidente da ADAPI. "Com as quotas aprovadas, podemos não ter quota para pescar o ano todo, o que pode comprometer a atividade das embarcações em 2021", alertou.

Segundo o dirigente, a proposta inicial da Comissão Europeia "já era má", uma vez que, para o sector, "havia falta de fundamentação científica para propor reduções em baixa tão significativas". "O resultado não é tão mau como a proposta inicial, ou seja, não é uma derrota por 7-0, mas sim por 2-0, mas não deixa de ser uma derrota", frisou.

Portugal conseguiu negociar em alta os cortes nas capturas de pescada, linguado e peixe-espada preto, face à proposta inicial da Comissão Europeia, disse hoje o ministro do Mar, Ricardo Serrão Santos. No que se refere à pescada, e "sem ferir os preceitos da sustentabilidade", foi negociado um corte de 5%, a que corresponde uma quota nacional de 2.495 toneladas, face aos 12,7% inicialmente propostos por Bruxelas. As capturas de linguado serão reduzidas em 20%, um corte menor do que o de 41,5% que tinha sido proposto em Outubro.

O peixe-espada preto terá um corte de 20%, menos cinco pontos do que a proposta da Comissão Europeia, tendo sido estabelecida uma quota nacional de 2.241 toneladas. O ministro salientou ainda que continua "empenhado em trabalhar com o setor para que exista uma pesca sustentável". Algumas das oportunidades de pesca, esclareceu também, são equivalente ao que se pescou no ano anterior e há sempre possibilidade de trocas com outros países e outras espécies.

A União Europeia chegou hoje a acordo sobre a repartição anual dos Totais Admissíveis de Capturas (TAC) e quotas pesqueiras no Atlântico e no mar do Norte e sobre o plano para o Mediterrâneo. Após quase 24 horas ininterruptas de negociações e devido às negociações do pós-'Brexit' [saída do Reino Unido da UE] ficou de fora a repartição anual dos TACS para 119 espécies pesqueiras de gestão partilhada com Londres, incluindo pescada, tamboril ou peixe-galo nas águas do norte.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Direitos Reservados