Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Fundo para a Inovação Social assinou em Peniche investimento na expansão da plataforma ‘Lota Digital’

Lota Digital Peniche

Foi assinado esta quarta-feira em Peniche o acordo de investimento do FIS – Fundo para a Inovação Social na ‘startu’p Bitcliq, participada pela Indico Capital Partners e LC Ventures, que aposta na transformação digital do sector primário e na economia azul através do projecto ‘Lota Digital’. O momento foi assinalado com a visita do secretário de Estado do Planeamento, José Gomes Mendes, à Lota de Peniche, onde o projecto ‘Lota Digital’ começou em 2019, contando ainda com a presença do secretário de Estado das Pescas, José Apolinário, da administração da Docapesca, da PME Investimentos, sociedade gestora do FIS, os promotores e vários parceiros.

Este reforço no investimento por parte do FIS, no valor de 350 mil euros, tem como principal objectivo preparar o alargamento das operações a nível territorial, além da aposta continuada nas componentes de inovação tecnológica, optimização da cadeia logística e transformação digital do sector. Além de ser uma experiência pioneira no âmbito do Fundo Social Europeu, o FIS é o primeiro instrumento financeiro público para fomento do mercado de negócios de impacto social que permite a intervenção directa de instituições de crédito e investidores de capital em projectos de inovação e empreendedorismo social.

O projecto Lota Digital, que resulta de uma parceria estratégica com a Docapesca, entidade do sector empresarial do Estado, responsável pela primeira venda e valorização de pescado em território continental, teve o seu início como um projecto-piloto na Lota de Peniche. Actualmente, conta já com mais de três dezenas de embarcações aderentes, representando a maioria das artes de pesca artesanal e variedades de pescado da costa continental. Serve vários clientes recorrentes, de segmentos tão variados como a restauração, peixarias, supermercados e grandes grossistas como a Makro, que apoiam o projecto e acreditam no potencial da transformação digital para um comércio mais justo e maior transparência na cadeia de valor.

A plataforma, que integra com o sistema de venda da Docapesca, permite o registo automatizado do pescado ainda no mar, antecipando a sua transação comercial com mecanismos de venda mais interessantes para pescadores e compradores, que incluem, além da comodidade, um leilão crescente e valores mínimos de venda. Integram ainda a plataforma vários parceiros logísticos que resolvem questões fundamentais como o embalamento e o transporte de frio até ao destino final.

Após a visita às instalações da Lota de Peniche, onde foram apresentadas várias inovações tecnológicas da plataforma, que incluem o uso da Inteligência Artificial para automação de processos como o controlo de qualidade e reconhecimento automático de pescado e a tecnologia ‘Blockchain’ para registo descentralizado de transações e garantia da imutabilidade dos dados de rastreabilidade do peixe fresco, foi assinado o acordo de investimento entre a Bitcliq e o FIS. A Bitcliq é uma ‘startup’ tecnológica de inovação digital que aposta no desenvolvimento ágil de soluções e sistemas de informação inteligentes para simplificar e aperfeiçoar a cadeia de valor da pesca.

Para Pedro Araújo Manuel, fundador e director-executivo da Bitcliq, “este investimento, apoiado pelo FIS é um enorme reconhecimento do excelente trabalho da nossa equipa, da persistência e visão que temos de um futuro mais sustentável para a pesca artesanal e consumidores de pescado fresco de origem natural”. De acordo com Marco Fernandes, presidente da PME Investimentos, entidade que gere o FIS, “o principal objectivo do FIS é contribuir para a inovação social, facilitando a criação de modelos inovadores que promovam impacto na vida das pessoas e das organizações. Este projecto da Bitcliq, a ‘Lota Digital’, tem a felicidade de agregar tudo isto: é um projecto tecnológico inovador, aplicado junto de uma comunidade tradicional, como sejam os pescadores, promovendo o seu rendimento e melhoria das condições de vida. Por outro lado, permite ainda que o cliente final tenha acesso ao rastreio do seu pescado desde a captura até ao prato, garantindo a sua autenticidade. Por isso, é com grande satisfação que a PME Investimentos co-investe na ‘Lota Digital’, através do FIS, e em parceria com a Indico, que muito apoiará com a sua experiência o crescimento da empresa”. Já para Stephan Morais, ‘managing general partner’ da Indico, “este co-investimento com o Fundo para a Inovação Social vem ao encontro da nossa aposta em investimento socialmente responsável, integrado no âmbito dos ‘Principles for Responsible Investing’ das Nações Unidas. Temos uma grande satisfação em começar a trabalhar a Bitcliq com o FIS, fundo que pode realmente ter um grande impacto na inovação ao nível social”.

A manhã terminou com a degustação de pescado fresco da’ Lota Digital’, confecionado pelo ‘chef’ António Alexandre, tendo sido possível experienciar o excelente sabor do pescado fresco da nossa costa, conhecer a sua verdadeira história e ainda a do pescador que o capturou, recorrendo à aplicação de rastreabilidade da ‘Lota Digita’l.

Sediada nas Caldas da Rainha, a Bitcliq nasceu em 2013 pela mão de Pedro Araújo Manuel. Desenvolveu inúmeros projectos internacionais de melhoria de eficiência operacional e de armazenamento de dados em ‘cloud’ com frotas pesqueiras em África, Estados Unidos da América e Europa. Em 2019, lançou o ‘marketplace blockchain Lota Digital’. Trata-se de uma plataforma inovadora que reinventa a primeira venda do pescado e garante a sua rastreabilidade desde a captura, registada a bordo através de um dispositivo tecnológico, e permite as transações comerciais totalmente seguras entre pescadores e compradores. Esta visão empreendedora de trazer novas tecnologias de ponta aliadas a novos processos ágeis, que prometem a transformação de um sector primário tão tradicional, como é a pesca artesanal, despertou o interesse de algumas das principais instituições de capitais de risco portuguesas, como a Indico Capital Partners e a LC Ventures, que participaram em 2019 na primeira ronda de investimento, reforçada em 2020 pela participação do Fundo de Inovação Social, valorizando o impacto comprovado que o projecto terá não só ao nível económico das comunidades costeiras, mas principalmente na sustentabilidade dos recursos marinhos e nos hábitos de consumo das populações.

A ‘Lota Digital’, projeto da ‘startup’ tecnológica Bitcliq, nasceu em 2017 e opera desde 2019 na Lota de Peniche, em parceria com a Docapesca, contando já com mais de duas dezenas de barcos registados na plataforma. Em 2020, prevê-se o seu alargamento a um maior número de embarcações e a outros portos nacionais. A ‘Lota Digital’ é um ‘e-marketplace B2B’ que permite ao pescador pela primeira vez, de forma auditável e legal, ter o controlo da venda do seu pescado ainda no mar, logo após a captura, possibilitando a rentabilização do tempo de negociação e aumentando a visibilidade da oferta. Quanto ao comprador, é lhe dado o acesso imediato às capturas do dia e a preços competitivos, comprando directamente ao pescador. Ou seja, a tecnologia da ‘Lota Digital’ simplifica e optimiza os processos logísticos da cadeia de valor do pescado, que se pretende cada vez mais curta e eficiente, ao estreitar a relação entre pescador e comprador. A missão da ‘Lota Digital’ vai além do objectivo de se estabelecer cada vez mais como um novo canal de compra e venda de pescado fresco, “a ambição estende-se à possibilidade de criar um grande impacto na sustentabilidade dos recursos marinhos e de todas as comunidades de pesca envolvidas, reconhecendo a importância da pesca tradicional para a garantia da conservação das espécies para as gerações futuras”, acreditam os promotores.

Texto: ALVORADA
Fotografia: Direitos Reservados