Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Login

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

COVID-19: Troféu Joaquim Agostinho será teste para realização da Volta a Portugal em Bicicleta

Trofeu Joaquim Agostinho

O Grande Prémio Internacional de Torres Vedras - Troféu Joaquim Agostinho, marcado para decorrer entre 18 e 20 de Julho, vai servir de teste para uma decisão final sobre a realização da Volta a Portugal em Bicicleta, no quadro da pandemia de Covid-19, afirmou hoje o secretário de Estado da Juventude e Desporto (SEJD). João Paulo Rebelo admitiu que a competição organizada pela UDO - União Desportiva do Oeste, será uma prova piloto que “a realizar-se, a prova terá naturalmente outros moldes”. De acordo com o governante, a Federação Portuguesa de Ciclismo já apresentou um plano para prova ao Governo e à Direcção-Geral da Saúde que, “para já, recolheu os maiores elogios e está a ser trabalhado”. A 43.ª edição do Grande Prémio Internacional de Torres Vedras - Troféu Joaquim Agostinho foi reduzida de quatro para três dias.

João Paulo Rebelo, que falava hoje na inauguração de uma ciclovia em Torres Vedras, admitiu que “tudo está no bom caminho para que este ano possa acontecer a Volta Portugal”, prova que integra o calendário da União Ciclista Internacional. Manifestando o desejo de que 2020 “não fique também marcado como o ano no qual não se realizou a Volta a Portugal”, agendada para decorrer entre 29 de Julho e 9 de Agosto, o governante alertou para o facto de a competição ciclística ter de decorrer em moldes diferentes do habitual. “Ninguém tem dúvida de que, a acontecer, a prova não acontecerá com aquela festa de ajuntamentos de pessoas, que momentos tão inesquecíveis trouxeram a muitos, mas que este ano não poderão acontecer nesses termos”, afirmou.

O SEJD inaugurou hoje 12 quilómetros de ciclovias na cidade de Torres Vedras, um investimento que ultrapassa meio milhão de euros e visa promover o uso da bicicleta e tornar a cidade mais segura. A autarquia explicou à agência Lusa que a Rede de Ciclovias Urbanas foi pensada para "servir, essencialmente, viagens casa-trabalho ou casa-escola, procurando conciliar as condições de segurança para os ciclistas e a proximidade dos destinos".

Com o investimento de 562 mil euros nos 12 quilómetros de ciclovias, a edilidade pretende "promover o uso da bicicleta em vias que estão actualmente afectas à circulação rodoviária, em eixos que estão sobredimensionados para a procura rodoviária que apresentam", o que levou à redução dos limites de velocidade para veículos motorizados. Desta forma, o projecto procura contribuir para a redução do consumo de energia e para a redução das emissões de gases com efeitos de estufa e de poluentes atmosféricos. Por outro lado, "assegura condições de acessibilidade, comodidade, conforto e segurança”.

A Rede Urbana de Ciclovias atravessa 18 ruas da cidade, passando por locais como o terminal rodoviário e equipamentos escolares, de saúde e desportivos. A Rede de Ciclovias Urbanas, financiada a 85% por fundos comunitários, insere-se no Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano de Torres Vedras e no Plano de Ação de Mobilidade Urbana Sustentável. As ciclovias vão receber o nome de ciclistas do concelho: Joaquim Agostinho, João Roque, Leonel Miranda, Hernâni Broco, Francisco Miranda, Jorge Silva, Francisco Inácio, Pedro Polainas, António Valentim dos Santos e Joaquim Bonabal. O concurso para as ciclovias foi lançado em Abril de 2018.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Direitos Reservados