Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Login

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Gangue acusado por onda de assaltos a multibancos no Oeste vai a julgamento

assaltos a multibanco

O gangue acusado por 86 assaltos a caixas multibanco, ocorridos entre Setembro de 2016 e Setembro de 2017, alguns dos quais perpetrados na região Oeste e, concretamente, no concelho da Lourinhã, terão rendido 2,77 milhões de euros. Com base na acusação do Ministério Público, do DIAP – Departamento de Investigação e Acção Penal de Lisboa, o ‘Correio da Manhã’ refere que 14 arguidos - 10 homens e quatro mulheres - foram alvo de uma investigação por parte da Polícia Judiciária que localizou em Oeiras, a 13 de Dezembro do ano passado, a base do grupo de assaltantes. Aqui foi apreendido calçado que a UNCC - Unidade Nacional de Contraterrorismo da PJ ligou aos suspeitos com os rastos dos ténis deixados em alguns locais onde ocorreram os crimes.

Para além das explosões de multibancos, o gangue é ainda acusado do furto de automóveis de alta cilindrada utilizados para a consumação dos assaltos. Para além das botijas de gás utilizadas nas explosões, os suspeitos usavam ainda metralhadoras e rádios para comunicar entre si, evitando o uso de telemóveis. Actuavam de cara coberta com gorros e capuzes e as roupas apreendidas pela PJ foram identificadas em imagens de videovigilância e os testes de ADN comprovaram a sua utilização pelos suspeitos.

Agentes da UNCC passaram largos meses no encalço do grupo e, no final, foram também apreendidos dinheiro e material utilizado nas explosões. Diz o ‘CM’ que o cérebro do grupo tinha por hábito, antes dos assaltos, ver o seu saldo bancário em alguns ATM escolhidos para tentar perceber, pelo número de movimentos efectuados que lhe aparecia nos extratos, se teria muito ou pouco dinheiro. A PJ também fez prova de todas estas consultas de saldo.

Naquela que foi a maior vaga de assaltos do país a multibancos, só na região Oeste ocorreram 10 assaltos consumados e duas tentativas, que renderam ao gangue 280 mil euros: Benedita (Alcobaça): 36,2 mil; Ferrel (Peniche): 37 mil; Vimeiro (Lourinhã): 23,2 mil; Bombarral: 41,8 mil; Alenquer (31,9 mil); Arruda dos Vinhos: tentativa; Torres Vedras (tentativa); Cadaval: 15,9 mil; Caldas da Rainha: 22,2 mil; Vimeiro (Lourinhã): 12,4 mil; Foz do Arelho (Caldas da Rainha): 46 mil; Caldas da Rainha: 14,1 mil. Os assaltos no concelho da Lourinhã ocorreram 19 de Outubro de 2016 e 27 de Maio de 2017.

Texto: ALVORADA
Fotografia: Sofia de Medeiros/ALVORADA (arquivo)