Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Login

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Oeste investe 19,6 milhões em lâmpadas LED

Fotografia: Sofia de Medeiros/Jornal ALVORADA

lampadasled

Os 12 municípios da região Oeste, entre os quais o Município da Lourinhã, começam, em Novembro, a substituir metade da iluminação pública por candeeiros eficientes, num investimento de 19,6 milhões de euros. A OesteCIM - Comunidade Intermunicipal do Oeste, que lidera o projecto, já obteve o visto do Tribunal de Contas para assinar o contrato com o consórcio Claroeste, detido pelas empresas Isete, Weltsmart e Fomentefficiency. Pedro Folgado, presidente do Conselho Intermunicipal, revelou à agência Lusa que “a iluminação pública é muito onerosa e é importante substituí-la por lâmpadas LED”. A OesteCIM integra os municípios de Alcobaça, Alenquer, Arruda dos Vinhos, Bombarral, Cadaval, Caldas da Rainha, Lourinhã, Óbidos, Nazaré, Peniche, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras.

No âmbito do contrato de gestão de eficiência energética, o consórcio privado vai investir 19,6 milhões de euros na substituição de 70 mil dos 120 mil candeeiros de iluminação pública existentes nos 12 concelhos da região Oeste por outros mais eficientes. A tecnologia instalada nos novos candeeiros vai permitir uma poupança anual de 3,4 milhões de euros na factura energética, que, no conjunto dos municípios oestinos, ronda os sete milhões de euros. Além disso, estima-se que os candeeiros eficientes deixem de emitir para a atmosfera nove mil toneladas de dióxido de carbono por ano.

Trata-se do maior investimento do país em iluminação pública eficiente, tendo a OesteCIM sido a primeira comunidade intermunicipal do país a avançar para uma parceria com uma empresa de serviços energéticos (ESE), como é o caso deste consórcio. Com as poupanças geradas ao longo dos 12 anos, 40% dessa receita é destinada a ressarcir do investimento o consórcio privado e 60% reverte para os municípios.

Além de melhorarem a qualidade da iluminação, as autarquias querem captar indústrias ligadas à concepção, desenvolvimento e produção de tecnologias que permitem controlar a intensidade e os horários da electricidade.

Em 2017, Peniche foi o primeiro município do país a conseguir autorização do Tribunal de Contas para uma parceria idêntica, na qual foram investidos 2,3 milhões de euros na substituição de metade das lâmpadas de iluminação pública do concelho. Com este contrato a 12 anos, a autarquia deverá poupar por ano cerca de 80 mil euros na factura de 281 mil euros e evita a emissão de 783 toneladas de dióxido de carbono para a atmosfera.