Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Login

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Os Jovens são o presente, o agora de Deus

As próximas Jornadas Mundiais da Juventude serão realizadas em Portugal.” Foi desta forma que o Cardeal Kevin Farrell, Prefeito do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, tornou pública a escolha do Papa Francisco de que seja a cidade de Lisboa a acolher a maior concentração de jovens a nível global, e que acontece todos os dois/três anos desde que S. João Paulo II teve a inspiração de as realizar aquando da visita a Portugal quando celebrava a Missa no Parque Eduardo VII.

Um sonho realizado”, é assim que muitos, sobretudo, os que como eu já participaram em várias, acolhem este anúncio, mas simultaneamente um desafio enorme a toda a Igreja de Lisboa e de Portugal. Pessoalmente, considero que o maior desafio, mais ainda que toda a complexa organização logística do evento, é como vamos fazer este caminho até ao Verão de 2022, como vamos aproveitar esta oportunidade para ajudar os jovens e toda a comunidade cristã a viverem de forma comprometida a sua fé em Cristo e a sua pertença à Igreja.

No Panamá, Francisco teve palavras fortíssimas que será bom que ecoem em todos nós: “Vós, queridos jovens, não sois o futuro. Gostamos de dizer-vos: «Sois o futuro….» Mas não é verdade! Vós sois o presente! Não sois o futuro de Deus; vós, jovens, sois o agora de Deus. Ele convoca-vos, chama-vos nas vossas comunidades, chama-vos nas vossas cidades, para irdes à procura dos avós, dos adultos; para vos erguerdes de pé e, juntamente com eles, tomar a palavra e realizar o sonho que o Senhor sonhou para vós.

Muitos experimentaram a força actuante e belíssima do Espírito como mostra a fotografia belíssima de um grupo de rapazes a levantarem ao alto uma cadeira de rodas para que um jovem incapacitado pudesse ver passar o Santo Padre. Ao ver força e a beleza daquele gesto recordei-me do episódio evangélico (Lc 5, 17-26) na sinagoga de Cafarnaum quando um grupo de jovens subiu ao telhado para fazer descer um paralítico à presença de Jesus. A fé faz brotar um amor que vence todas as barreiras, e na comunhão ser ocasião e graça para todos.

O mundo de hoje aprisiona os jovens em lógicas mesquinhas e alienantes, contudo, como lhes lembrava o Santo Padre é importante que eles queiram vencer os enganos do demónio e não tenham medo dos desafios constantes de quem se encontra com Jesus e aprender a ser seus influencers tal como Maria. “Olhai! Um amor que une é um amor que não se impõe nem esmaga, um amor que não marginaliza nem obriga a estar calado nem silencia, um amor que não humilha nem subjuga. É o amor do Senhor: amor diário, discreto e respeitador, amor feito de liberdade e para a liberdade, amor que cura e eleva. É o amor do Senhor, que se entende mais de levantamentos que de quedas, de reconciliação que de proibições, de dar nova oportunidade que de condenar, de futuro que de passado. É o amor silencioso da mão estendida no serviço e na doação; é o amor que não se vangloria nem se pavoneia, é o amor humilde que se dá aos outros sempre com a mão estendida. Tal é o amor que nos une hoje. Pergunto: acreditas tu neste amor? E faço outra pergunta: acreditas que este amor vale a pena? (…) Não tenhais medo de amar, não tenhais medo deste amor concreto, deste amor que tem ternura, deste amor que é serviço, deste amor que dá a vida. (…) Maria soube dizer «sim». Teve a coragem de dar vida ao sonho de Deus. E o mesmo nos é pedido a nós hoje: queres encarnar com as tuas mãos, os teus pés, o teu olhar, o teu coração o sonho de Deus? Queres que seja o amor do Pai a abrir-te novos horizontes e levar-te por sendas nunca imaginadas nem pensadas, sonhadas ou esperadas, que alegrem e façam cantar e dançar o coração?

As Jornadas são uma primavera do Espírito, são um dom imenso, um presente belíssimo, agora é importante que nos deixemos conduzir pelo Senhor e aproveitemos esta oportunidade para darmos a todos, não só aos jovens, a graça de encontrar a Fonte da Vida, onde tudo ganha sentido e onde a nossa existência é dimensionada pela eternidade do Amor de Deus.

Pe. Ricardo Franco
Edição 1252 - 1 de Fevereiro de 2019